O Espelho

oespelhoAyneh / The Mirror (1997 – IRA) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Uma garotinha (Ymina Mohammad-Khani), com o braço engessado, espera no portão da escola, que sua mãe venha buscá-la após o término das aulas. A mãe se atrasa, todas as crianças vão embora, e a filha, cansada de esperar sozinha, decide partir pela cidade atrás do caminho de casa. É de maneira dócil e pueril que a câmera acompanha a menina, e os pequenos personagens que são inseridos pela sua jornada. O diretor Jafar Panahi prende-se a minuciosidades, não tem pressa em fechar um ciclo, nem que precise voltar nele lentamente, e inúmeras vezes, para concluí-lo.

Um senhor que trava uma batalha incansável para atravessar a rua, uma senhora reclamando da família que não a trata bem, uma mulher lendo a mão de outras no ônibus. Alguns desses personagens vão e voltam até que seus esquetes sejam encerrados, aliás, na primeira fase a garota parece que será apenas argumento para que Panahi trate do cotidiano, abordando temas como o tratamento islâmico exclusivista com as mulheres (pegando entre outros exemplos a divisão existente dentro dos ônibus no Irã, onde homens e mulheres ficam em espaços separados). Outro aspecto recorrente é o transito caótico que parece insolucionável (tema que já abordou em outros filmes), o desrespeito com pedestres, idosos e crianças.

A veia crítica do roteiro de Panahi começa a ficar monótona, eis que o diretor tira uma sacada que faz o filme renascer, brilhar, florescer. Numa bela jogada ele impulsiona sua história e transforma sua atriz num espelho da própria personagem, tenta que o público acredite que passa a filmar a realidade e não mais um roteiro com texto escrito. Personagem e atriz se confundem, suas histórias fundem-se e o que parecia cansativo volta a todo o vapor.

Nessa fase o que se torna mais interessante é a aparente improvisação, o pseudo-amadorismo da equipe de filmagem que estaria despreparada para a situação da pequena atriz rebelada, que cansou de brincar de ser atriz. Ficamos entre o pasmo com a situação “documental” e o improviso de quem está ouvindo um diálogo no microfone enquanto a câmera filma a parede de um ônibus que teima em não sair da frente de suas lentes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s