O Abraço Partido

El Abrazo Partido (2004 – ARG/FRA/ITA/ESP) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Jovem pretende tirar sua cidadania polonesa, para mudar-se, e fugir da crise que assola a Argentina. Essa frase não passa de uma grande papagaiada, sinopse rala, daquelas que fogem do tema do filme com o intuito de conquistar interessados no público cinéfilo. Não que esses assuntos não estejam inseridos no contexto do filme, pois estão, mas eles são adjetivos que qualificam e enriquecem a obra e o tema.

O tom é de comédia para tentar ser mais atual, de cara pinta-se um retrato da situação dos imigrantes que se fixaram pela Argentina (na verdade no Cone Sul) no fenômeno da Segunda Guerra Mundial. Uma galeria decadente mantém as mesmas lojas e os mesmos donos há quarenta, cinqüenta anos, vendendo produtos antiquados para um público conservador. Ariel (Daniel Hendler) é filho de uma vendedora de lingerie nessa galeria, o rapaz quer a todo custo tirar sua cidadania polonesa e conhecer a Europa. Seu pai largou sua família há mais de vinte anos (sem maiores explicações) para lutar na Guerra de Yom Kuppur e nunca mais voltou.

Ariel mantém uma curiosidade aguçada sobre o pai e os motivos que o levaram a abandonar a família, mas o jovem transveste essa curiosidade em um ressentimento inflexível. Se a amargura com o pai é o tema central, outros dissabores e peculiaridades circundam Ariel, seja o arrependimento de ter se separado da namorada perfeita, seja a estranha relação que mantém com uma fogosa quarentona que mantém na galeria uma Lan House apadrinhada por um senhor de idade. A impaciência no trato com os familiares mais velhos, como mãe e avó, o desprendimento das raízes culturais e religiosas. Coisas tão típicas dos jovens que não ligam para certos valores, que acham que tudo não passa de besteira.

O diretor Daniel Burman realiza um filme gostoso de assistir, mesmo com sua câmera deveras excessivamente agressiva. Levemente divertido, repleto de verdades corriqueiras e focado num tipo de crise familiar comum. Esse desentendimento entre pai e filho, essa barreira criada pela intransigência, o choque entre o pensamento do novo e o do velho. Infortúnio são alguns dos apêndices que servem apenas para tornar folclórica a história e seus personagens, o irmão de Ariel e seu fiel escudeiro Ramon são como ancoras que não deixam o filme correr. Trazem uma brisa de humor, que mais atrapalha do que ajuda.

É falso dizer que o filme discute a crise Argentina, serve mais como documentário de como alguns imigrantes pararam no tempo e não conseguem adaptar seu comércio a nova realidade global. Ariel desfila entre esses personagens lisonjeiros, e seu personagem tinha muito mais a ser explorado. Além da fúria paterna ele possui algo explosivo e um olhar jovial que poderia muito bem apontar hiatos. Por fim acaba meio como mamão com açúcar, não desaponta, mas também não atinge longos vôos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s