Atirem no Pianista

kinopoisk.ruTirez Sur Le Pianiste (1960 – FRA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Nas ruas de Paris, às escuras, um fugitivo corre de dois homens, cansado escorrega e cai na calçada. Um pedestre o auxilia, aparentemente livrou-se dos perseguidores. Somente François Truffaut poderia inserir um diálogo, como o que vem a seguir entre esses dois estranhos, um breve relato sobre a vida amorosa, um resumo matrimonial, o humor leve: “Paris é a cidade com maior número de virgens, proporcionalmente”.

Atirem no Pianista é o segundo filme de Truffaut, e já dava claros sinais de algumas características que seriam marcantes em seus filmes. O lado policial da história é paupérrimo, chulo mesmo, os sequestros mais se aproximam de conversas de bar. Lutas soam ridículas, fugas demasiadamente inocentes. Truffaut parece desdenhar disso tudo, usa o humor de forma suave, como se o lado policial fosse apenas formalidade para adaptação do livro de David Goodis.

A história de Charlie (Charles Aznavour), o pianista perseguido pelos ex-comparsas do irmão, que querem encontrar seu esconderijo, é mero pretexto para a história de Charlie, o tímido pianista clássico que viveu o sucesso e após um passado conturbado, tenta reencontrar-se com o amor, na figura da garçonete Lena (Marie Dubois). No bar, o retrato da marginalidade é tão diferente que quase parece uma festa social, prostitutas dançam com graça pelo salão, os homens muito bem vestidos bebericam ao som da banda comandada pelo piano.

O cantor Charles Aznavour assume o alterego de Truffaut, uma espécie de esboço para Antoine Doinel adulto. A timidez resulta em passagens graciosas, Charlie confidencia ao público seus pensamentos, mas na hora de agir, faz ao contrário. Sente o momento de avançar, o braço faz o trajeto para abraçar a moça que está quase entregue, mas no momento capital a mão titubeia, conta até dez nos dedos para acalmar-se. São essas pequenas coisas que fazem do filme algo fora dos padrões dos gêneros, durante um sequestro um dos bandidos jura pela morte da mãe sobre um assunto qualquer, a câmera corta e segundos depois a mãe cai morta, hilariante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s