Mostra SP – dia 8

Cheguei 30 minutos antes da sessão no Vitrine e a fila fazia voltas, eram 14:00 em plena segunda-feira. O filme, Flores Partidas. Na platéia Marilia Gabriela novamente do meu lado uma garota que viu O Inferno duas vezes e dormou em 2046. Motivo? “h eu sempre durmo nos cinemas.”
Depois 3 horas intermináveis de espera para a sessão dupla no Unibanco, Pickpocket e Paradise Now. Na primeira a presença da atriz e seu marido odiretor de fotografia de Caché, claro que o Leonque os apresentou. Entre as sessões, rolou uma mesa redonda entre eu e mais tres pessoas que esperavam pela sessão, e todos foram unanimes em elogiar Cinema, Aspirinas e Urubus…, vejo na quarta

Flores Partidas (Broken Flowers, 2005 – EUA)

Uma singular carta num envelope cor-de-rosa, uma sonora e embalante música enquanto acompanhamos a entrada dessa carta numa caixa de correio e todo o caminho percorrido entre as máquinas do correio até que chegue a seu destino final. As vezes quando a vida fecha uma porta, outra se abre, Don está sendo deixado pela namorada no instante em que a carta chega por debaixo da porta. Um road-movie existencial? Nem tanto.
A carta é de uma antiga namorada, mas ela não assina e não há remetente, diz que ficou grávida dela há vinte anos e o filho partiu agora para uma viagem misteriosa e ela desconfia que seria para encontrar o pai. Cartas na mesa, um amigo metido a detetive o convence a fazer uma lista das namoradas da época, procurá-las e assim desvendar o mistério da paternidade.
Torna-se para Don mais que uma viagem ao passado, é como se a dica filosófica que ele oferece a um rapaz durante o filme fosse o resumo de sua vida, o passado ficou para trás, o futuro não sabemos, nos resta o presente. Don faz essa viagem não só para descobrir o filho, mas talvez encontrar um brilho que ele deixou para trás,
Bill Murray repete o personagem de Encontros e Desencontros, só que em momento algum cansamos das semelhanças, como seu quiséssemos saber mais daquela figura enigmática do filme da Coppola. Mas Jim Jarmusch tem outro estilo, alias Jarmusch é puro estilo. Nada de muitos sentimentos, Bill Murray continua impagável, carrega flores nas mãos para equilibrar o amargor de sua face.
Flors Partidas é um filme divertido, muito divertido, mas vai perdendo sua força na segunda metade. Vamos ficando com Bill Murray e seu humor negro irresistível, quando um ator consegue arrancar gargalhadas diversas vezes sem proferir uma palavra, quer dizer que encontrou o timming. Então o filme segue assim, Murray divertindo e Jarmusch nos embalando com musicas agradabilíssimas além das pitorescas aparições de Jeffrey Wright e do desfile de atrizes renomadas.

Don (Bill Murray) Winston (Jeffrey Wright) Laura (Sharon Stone) Carmen (Jessica Lange)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s