Manderlay

Publicado: novembro 21, 2005 em Cinema
Tags:, , , ,

Manderlay (2005 – DIN) 

Não é um repeteco de Dogville, como ecoou em alguns lugares, mas sem dúvidas não causa o mesmo impacto, principalmente visual já que se utiliza da mesma estrutura (tablado negro com demarcações, sem paredes e etc).

Lars Von Trier não perdeu a obsessão de desmoralizar a cultura americana, mas dessa vez mesmo mirando diretamente nos EUA acaba acertando toda a sociedade contemporanea. Sua fábula moral é universal, a escravidão ocorreu em boa parte do planeta e não é só disso que Manderlay trata, vai mais fundo quando tenta discutir até que ponto a liberdade é benéfica, até onde deve ir a liberdade de um indivíduo para seu próprio bem (e nesse tema ele atinge realmente os EUA e suas políticas bélicas).

Manderlay é uma pequena fazenda de cultivo de algodão, logo após sair de Dogville, Grace (Bryce Dallas Howard)  depara-se com o local que ainda mantém escravos mesmo passados setenta anos desde a abolição dos mesmos. Com sua alma “caridosa” decide ficar na fazenda promulgando a liberdade e auxiliando os negros até que os mesmo estejam prontos para viverem numa democracia e tocarem suas vidas sem necessidade de ajuda. O problema é se eles estão preparados para essa mudança e quem disse que é Grace a pessoa ideal para exercer essa influência? (ou quem disse que são os EUA o ideal para libertar Iraque, Afeganistão, etc.)

Bryce Dallas Howard não é Nicole Kidman, o filme perde nessa troca, e Grace está mais didática dessa vez, seu discurso mostra-se óbvio e desnecessário algumas vezes. O roteiro por mais que trabalhe com temas polêmicos e contundentes, não parece tão bem amarrado e dá claros sinais dos segredos que reserva ao final. Mas não deixa de ser um bom, filme, engajado. Talvez sem planejar, Lars Von Trier demonstra que o ser humano é realmente um grande equívoco, nesse ponto ele tem toda razão.

Young Americans de David Bowie também encerra esse filme, novamente a música embala inúmeras fotos, dessa vez todas focadas na disputa racial nos EUA, Martin Luther King, a Klu Klux Klan e toda a miséria e diferença que marca a história dos negros nos EUA. Trier faz isso como quem diz, não se esqueçam que no fundo só estou interessado em dar mais uma cutucada no meu inimigo número um.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s