O Filho da Noiva

Publicado: dezembro 5, 2005 em Uncategorized

(El Hijo de la Novia, 2001 – ARG)

Em algum momento da vida você vai se dar conta das coisas que são realmente importantes. Talvez essa visão imprescindível venha tarde demais, quando lhe restar apenas um fio de vida, ou quando já for impossível corrigir alguns erros, mal-entendimentos ou escolhas incorretas. Em outros casos (raríssimos) essa percepção de valores importantes pode vir mais cedo e desde então haverá um longo caminho a se trilhar, aproveitando o que de melhor, a vida, tem a oferecer a cada um.
Essa mudança de panorama pode chegar pela experiência, pela percepção de seguir pelo caminho errado, e até mesmo por um acontecimento marcante que te faça repensar a vida, rever conceitos. Rafael Belvedere poderia muito bem ser inserido nesse último caso. No auto de seus quarenta e dois anos administra o restaurante que herdou da família, sua rotina é puro stress, preocupação com fornecedores, pagamentos, funcionários e etc, etc, etc. Divorciado, pouca atenção sobra para a filha, ou até mesmo para sua jovem namorada. Seu único momento, consigo mesmo, é de madrugada, sozinho, à frente da TV com um pote de sorvete.
A mãe sofre de Alzhemeier e o pai diariamente desdobra-se em carinho para estar ao lado de sua amada. Deseja ele realizar o grande sonho de sua esposa, casar-se na igreja, mesmo que pareça uma loucura com ela nesse estado de saúde. Sob toda essa pressão diária Rafael sofre um infarto, os dias na UTI, o reencontro com um amigo da infância, e principalmente a percepção dos rumos que sua vida havia tomado fazem Rafael refletir.
Até que ponto vai à importância financeira na vida de alguém? Qual a real função da família? E seu filho, você lhe dá a devida atenção, você oferece carinho, amor, atenção e passa bons momentos ao se lado? O amor? Ter alguém ao seu lado é apenas para oferecer sexo, uma companhia (ou obrigação) para alguns programas e jantares, e de resto alguém para te tirar do sério, e azucrinar sua vida? Essas são apenas algumas questões a serem levantadas para aquele que olhar o filme além de um dramalhão divertido, envolvente e emotivo, e não se preocupar com a fotografia de cores exageradamente fortes, ou qualquer outro detalhe técnico.
O filme de Juan José Campanella (Um Mesmo Amor, Uma Mesma Chuva/Clube da Lua) oferece a possibilidade, para aqueles que ainda não enxergaram, de olharmos para nossas próprias vidas e refletirmos se estamos no caminho certo, ou se há pequenas coisas que poderíamos mudar facilmente, e trariam um acréscimo tão grande de qualidade de vida. Muito mais interessante do que falar da vida de Rafael, ou da linda história de amor de seus pais, é olhar para si mesmo e pensar se você vai precisar sofrer um infarto ou coisa pior para começar a mudar alguns péssimos hábitos.

Rafael Belvedere (Ricardo Darín) Nino Belvedere (Héctor Alterio) Norma Belvedere (Norma Aleandro) Juan Carlos (Eduardo Blanco) Naty (Natalia Verbeke)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s