John Waters [1/3]

Publicado: dezembro 12, 2006 em Uncategorized

Vou aproveitar esse resto da semana para jogar no blog três filmes do John Waters que vi no dvd, culpa de um amigo meu hehe!

Pecker (Pecker, 1998 – EUA)

Envolvidos por uma música leve e contagiante somos apresentados aos créditos iniciais, enquanto o jovem Pecker trafega por Baltimore, com sua máquina fotográfica disparando flashes por toda a cidade, até chegar à lanchonete onde trabalha. A enormidade de pequenas situações de comédia trash contidas nesse pequeno clip musical são um pequeno aperitivo, amostra grátis.
A bizarrice, mesmo que leve, está desfilando por toda parte. A família de Pecker é uma espécie de show de horror, um conjunto de seres estranhos, começando pela irmã caçula viciada em açúcar. Dentro dessa maluquice, Pecker é um sujeito comum, apaixonado por sua namorada, sempre simpático e bondoso, seu hobby é tirar fotografias de momentos cotidianos.
Quando já estamos amplamente familiarizados com a personalidade de Pecker, vem John Waters mostrando suas verdadeiras intenções. Seu alvo é a fama, a visão de algo totalmente comum numa obra de arte de valor inestimável (tal como muitas vezes um simples borrão, ou um erro, pode ser visto como genial pela crítica arrogante e tapada). Uma pequena exposição das fotografias de Pecker, dentro da lanchonete, serve como trampolim para as principais galerias de arte dos EUA.
Recebe mil convites para outras exposições, entrevistas para os principais meios de comunicação, Pecker vira capa de revista, uma febre. A comédia trash mostra sua verdadeira faceta de sátira, o jovem Pecker indiretamente muda com toda a estrutura funcional da cidade, e principalmente das pessoas mais próximas de si. Até onde vale a pena a fama?
É puro passatempo, filme altamente divertido, com roteiro fraco e algumas cenas beirando o esdrúxulo, mas de tão bobo torna-se tão engraçado em muitos momentos. A bizarrice nos faz rir, chega um instante que pouco importa a lógica daquilo tudo dentro do contexto, é filme de John Waters, o que queremos mesmo é rir de tudo aquilo.

Pecker (Edward Furlong) Shelley (Christina Ricci)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s