Cartas de Iwo Jima

Cartas de Iwo Jima (Letters From Iwo Jima, 2006 – EUA/JAP) 

Fazer um filme sobre a ótica do outro é uma coisa, fazer um filme com a sua visão sobre a ótica do outro, é completamente diferente. Clint Eastwood almejava a primeira, porém só entregou a segunda. Também um caubói americano resolve fazer um filme falado em japonês, com atores locais, e ainda pretende tratar do patriotismo local. Eu ainda acreditava que ele iria conseguir resgatar um pouco da cultura e aproximar-se das emoções e sensações que os soldados viveram ao defender Iwo Jima.

Os soldados e demais militares escrevem cartas a seus familiares, planos fechados com atores fazendo cara de melancolia, tudo tão melodrama americano (acentuado por uma trilha sonora teimosa), ou minha visão do povo oriental é deturpada ou Eastwood não entendeu bem. Pelas cartas resgatamos um pouco da vida de cada um, os filhos e esposas que ficaram. E o que o cineasta deseja transmitir é algo como olhem-os-japoneses-também-são-gente. Quando um dos militares lê uma das cartas, escrita pela mãe de um soldado inimigo, e, entre uma explosão e outra, os soldados japoneses comovem-se com aquelas palavras, chega-se ao limite do ultrajante.

Felizmente o filme não é só isso, a fotografia monocromática praticamente iguala os ambientes causando um espetáculo único. O destaque dado ao conhecimento de que a derrota são favas contadas e ainda assim todos (ou quase todos) lutam e morrem com fervor pela pátria, consegue finalmente trazer um pouco de veracidade àqueles personagens. E os suicídios em grupo oferece momentos fortes, aos nossos olhos e para nossa reflexão. A história é baseada em relatos do general Tadamichi Kuribayashi (Ken Watanabe), que tinha uma posição diferente da maioria, ordenando o recuo das tropas aos suicídios. Sabia muito bem ele, que cada vida de um soldado valia muito, principalmente a inferioridade numérica e tecnológica que enfrentavam os japoneses.

E Clint Eastwood desperdiçou momentos de tensão que poderiam nos deixar boquiabertos, em A Conquista da Honra. Quando a tropa desembarca na praia e começa a adentrar em Iwo Jima temos a visão de dentro das cavernas, os japoneses aguardando o momento exato de pegar o máximo de soldados desprevenidos. Aguardei muito por esse momento no filme-irmão, e as cenas estão lá, poucas e rápidas, muito mais preocupado estava Eastwood em se concentrar no general e no momento exato em que ele daria a ordem para atirar. Perdeu a tensão, perdeu a sensação de armadilha, Eastwood perdeu a chance de tentar entender um pouco mais ao invés de colocar sua visão ocidental dos fatos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s