O Albergue Espanhol

Publicado: junho 25, 2007 em Uncategorized
O Albergue Espanhol (L’auberge Espagnole, 2003 – FRA/ESP)

Bem-humorado, animado, alto-astral. Qual apartamento dividido apenas por universitários não seria assim? Não são mais adolescentes, mas ainda não se tornaram adultos. Ficam naquela fase intermediária, rindo de qualquer besteira, enquanto flertam com o futuro profissional, os namoros que podem vir a se tornar casamentos, o início da estrada que representará sua vida. Cédric Klapisch jogou naquele apartamento todos os tipos (como era de se esperar), querendo brincar com a diversidade, desejando enumerar as diferenças, as escolhas (culturais, sexuais, e demais).

Por isso não é de estranhar que haja a garota homossexual, o mais bem-humorado, a nacionalista, o super-estudioso, e o desajeitado francês que será o foco central. Ele vem à Espanha estudar economia, e principalmente a língua e costumes do local, já que há um grande emprego o esperando quando retornasse à França. A experiência de viver num outro país obviamente é de muita riqueza ao jovem, não só pelas diferenças, mas principalmente pelo ganho de maturidade, por sair da casa da mãe e ter que se virar sozinho com suas coisas, com a arrumação do quarto e etc.

No meio de tudo isso surgem as confusões, o fortalecimento das amizades e as situações mais que divertidas que aquela turma de amigos apronta naquele pequeno albergue espanhol. O momento mais hilário é a corrida por Barcelona, de todos os amigos querendo avisar a britânica de que seu namorado estava chegando de surpresa. O desfecho é o momento mais hilário. De resto, são pequenas situações, sempre hilárias, e principalmente críveis, típicas da idade, do momento, dos anseios desses jovens prontos para descobertas, para novas aventuras, por sensações diversas. É um gostoso passatempo. Pena que Romain Duris seja tão ruinzinho.
comentários
  1. disse:

    Na verdade,e u achei o filmne excelente… Conta as experiências e anseios de uma fase crucial: o amadurecimento. Além do mais, revela as dificuldades e alegrias da convivência com os diferentes, mas, ao mesmo tempo, tão iguais. É a simbiose perfeita… Fala do respeito a novas culturas, das dúvidas quanto ao inserimento social… Pra mim, é estupendo!

    Curtir

Deixe uma resposta para Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s