Toy Story

toy-story

Toy Story (1995 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Um dos grandes marcos da nova fase da animação, merecidamente o grande precursor do boom que levaria o gênero ao status de blockbusters colossais, captando, não só, atenção de crianças, como dos adultos também. Marca tambpem o início da era em que os grandões também vão ao cinema assistir animação, mesmo sem a presença dos pequenos. Culpa da inovação gráfica, culpa da Pixar em seu primeiro trabalho, e culpa de histórias inventivas e inteligentes, indo além do que os desenhos animados ofereciam até então.

O roteiro dá vida aos bonecos de brinquedo de um garoto, enquanto não há humanos no quarto, eles vivem numa pequena sociedade liderada pelo cowboy Woody (o preferido do garoto), planejando palestras e cuidando da harmonia entre os bonecos (divertido o mundo de preocupações deles, com o cão que causa tumulto, o medo de tornarem-se obsoletos ao pequeno Andy, e principalmente o prazer em diverti-lo). A configuração muda com a chegada do astronauta Buzz Lightyear, o novo preferido causa ciúmes no cowboy, o filme de John Lasseter trata de rivalidade, de mudança de comportamento, traz muitas aventuras às crianças, mas sob uma abordagem bastante inteligente e de linguagem simples.

Toy Story 2 (1999 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

O relançamento no cinema, agora em 3D, dos dois filmes é óbvia jogada de marketing pré-lançamento da nova aventura. Pena que tem um quê de picareta, afinal, praticamente inexistem os efeitos em 3D prometidos, vale tudo para promover, inclusive enganar o público. Dessa vez, Josh Lasseter tem ajuda de Ash Brannon na direção, os personagens seguem encantadores, e os agora inseparáveis amigos Buzz e Woody lideram o grupo de bonecos moradores do quarto de Andy. Nos faz relembrar de nossa infância, de nossos brinquedos, dos preferidos, dos que acabaram quebrados ou rasgados, e mesmo assim seguiam nos divertindo ou acabavam encostados.

A segunda aventura trata desse tema, o medo da rejeição, o ser colocado de lado. Dai para uma grande operação de resgate em contraponto a uma volta às origens. O encontro de Buzz Lightyear com seus pares na loja de brinquedos é simplesmente impagável, Toy Story não só é o marco desse tipo de animação, como talvez tenha sido a última capaz de entreter adultos, sem preocupar-se em povoar seu roteiro com o conteúdo adulto. Carisma não falta a esses personagens.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s