Estranhos no Paraíso

Stranger Than Paradise (1984 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Jim Jarmusch se posiciona como um cineasta despretensioso, em alguns de seus filmes. A câmera ligada em diálogos que não parecem ter grande sentido, nada representativo, além de capturar aquele momento, daquela minúscula e insignificante conversa. E assim, Jarmusch vai criando seu estilo, seu cinema, quase sempre utilizando o preto e branco, normalmente em enquadramentos levemente fora do convencional.

A prima migra da Europa oriental para os EUA, o primo a recebe como um encosto, um peso. Ela vai embora, e ele sente saudade, planeja uma viagem com um amigo. Os três partem de “férias”, nada além disso. O gostar de uma companhia. Eles até possuem suas ambições, mas antes de tudo vivem o momento, seja ele qual for (quando a grana acabar, acabou). Talvez haja resquícios de um estilo de vida anos 70, talvez seja só um cineasta brincando de exercitar sua criatividade dentro de uma larga despretensão, o paraíso é aquilo, Willie comandando e os outros simplesmente (até discordando), mas obedecendo ao líder, simples assim.

Anúncios

3 comentários sobre “Estranhos no Paraíso

  1. ESTRANHOS NO PARAÍSO é um filme que me lembra muito a aurora da minha cinefilia. Vi na televisão e fiquei maravilhado. Já faz cerca de vinte anos isso. O que mais me chamava atenção no filme era os fade in blacks demorados.

    Curtir

  2. Pingback: 40ª Mostra SP |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s