O Cavalo de Turim – Indie 2011

The Turin Horse (2011 – HUN) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Nietzsche vive com sua filha num vilarejo rural em Turim, estamos em Janeiro de 1889. É Nietzsche e também não é, porque o personagem é colocado apenas como um senhor duro, rustico, que economiza nas palavras, e não move um dos braços. A filha o ajuda a trocar de roupa, o vento lá fora é incessante, poderoso, dias e dias de ventania devastando tudo. Béla Tarr segue seus personagens vagarosamente, acompanha a filha que cozinha duas batatas em cada refeição, o cuidado em tirar as botas e as calças do pai, ou em buscar água do poço.

Visualmente o filme vive dessas pequenas tarefas e do desconsolo que assola os dois, o cavalo que para de comer, o mundo que parece ser engolido pelo vento. Porém, essa seria uma visão superficial do que Tarr nos apresenta, seu cinema vigoroso e a força da imagem num preto e branco fabuloso, vão além, muito além. Sem sair do tom, é nítido o desespero, a desesperança, e uma capacidade enimgmática em buscar na repetição uma confirmação de comportamentos, de sensações. A cada vez que a porta da casa se abre, nossa sensação é de que aquele vento virá direto em nossa direção, poeira nos olhos, cabelos bagunçados. Planos longos, levíssimos travellings (em 90º), e a repetição de ações com mudança nos enquadramentos que esmiuçam comodos, pessoas, objetos. Um trabalho vigoroso, potente, um prazer contemplativo.

Anúncios

Um comentário sobre “O Cavalo de Turim – Indie 2011

  1. Pingback: Festival do Rio |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s