A Cor da Romã

Sayat Nova / The Color of Pomegranates (1968 – URSS) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

É clara a ruptura proposta por Sergei Paradjavov, numa linguagem de cinema nada narrativa, porém completamente focada na imagem e nas suas possibilidades de contar uma história, de criar um universo e enquadrar diversas formas de arte num resultado único. A câmera quase sempre, num mesmo plano-fixo (ora mais aberto, ora mais fechado), transforma o cenário num espaço limitado, como o palco de um teatro por onde os personagens passam (a câmera nunca os acompanha), e por ali passam danças folclóricas, quadros, tapetes e outros adereços relativos aos aspectos culturais mitigados por Paradjanov. Aqui, ele presta homenagem ao poeta armênio Sayat Nova. O filme permeia o Catolicismo, o mundo das artes, animais cruzam a tela como que desfilando, um universo onírico e abstrato cortado por falas em off.

Nesse conjunto de imagens com ligação ilógica, Paradjanov versa, sabe-se lá sobre o que. Novamente armas são empunhadas, rostos sem expressão, ou com o exagero do melodrama de uma tragédia grega sem causa. São espasmos de uma arte cinematográfica focada em unir as demais (teatro, pintura, música, dança e etc), sem que isso, obrigatoriamente, tenha que resultar num fio condutor capaz de narrar uma verdadeira história de começo, meio e fim. Eu detestei.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s