Sem Teto Nem Lei

semtetonemleiSans Toit Ni Loi (1985 – FRA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

O mais impressionante é o senso de liberdade a cada cena reafirmado pela andarilha (Sandrine Bonnaire) que abre o filme morta pelo frio numa vala qualquer. O filme reconstitui as derradeiras semanas da mendiga, partindo de relatos dos que a conheceram recentemente. A jovem vive exatamente o que podemos chamar de espírito-livre, sem amarras, sem preocupações, sem interesse por qualquer coisa que não seja sua liberdade.

Liberdade essa não só pelo ir e vir, pelo desapego de bens ou de uma vida regrada. Não, vai muito além, sua liberdade é oca, livre de qualquer estigma político, psicológico, familiar. Livre de qualquer desejo, obsessão, necessecidade, simplesmente livre. Ela cruza a vida de personagens, dorme na rua, no carro, na sala da casa, trabalha aqui, vagabundeia ali, age conforme sua própria vontade do momento. Não demonstra qualquer preocupação com sua situação, qualquer espírito de mudança.

E como uma cirurgiã, Agnès Varda calcula friamente cada plano, cada situação, sua direção demonstra essa frieza de não se envolver, de deixar que esse senso de liberdade tome totalmente conta do filme, crie as interrelações pessoais. A andarilha nos surpreende pelo estreito pensamento no agora, enquanto isso outros personagens sofrem numa visão social crítica da diretora, interesses escusos, a vergonha social acima da fraternidade, de um lado uma personagem livre, de outro todos amarrados a suas convenções sociais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s