Pietà

pietaPietà (2012 – COR) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

A referência a escultura de Michelangelo é óbvia, desde o título e o pôster, até nos temas como a relação mãe-filho e a sexualidade. Kim Ki-Duk parece ressurgir na cena mundial ao levar o Leão de Ouro, o difícil é entender as razões para tal premiação. Ele até pega emprestado algo de sua obra-prima (Casa Vazia) ao colocar seu protagonista visitando diferentes ambientes, dessa forma entramos na peculiaridade da vida de cada um dos que pegaram dinheiro emprestado, não pagaram, e agora terão que se tornar aleijado para receber o dinheiro do seguro, e, assim pagar seus empréstimos.

O vilão maléfico e solitário sexualmente executa a função de cobrar, até encontrar uma mulher que diz ser sua mãe, e se torna um bocó revivendo a infância que não teve. Os “aleijados” revisitam o personagem, há cheiro de vingança no ar, a questão da sexualidade segue sendo explorada numa relação estranha de Édipo.

Mas, a questão é que Ki-Duk realmente perdeu a mão, seu filme se apresenta como uma fábula da moral e bons costumes, recheada de violência, humanizando demônios e se estagnando numa proposta de relacionar o oriente ao Renascentismo, seu cinema de impacto visual e simbolismo perdeu completamente a força.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s