A Dupla Vida de Veronique

aduplavidadeveroniqueveroniqueLa Double Vie de Véronique (1991 – FRA/POL/NOR) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Não consigo vê-lo como uma obra-prima, e sim um filme-preparação para a Trilogia das Cores. Krzystof Kieslowski testava muito do que seria visto logo a seguir, imagens refletidas em objetos, a música clássica, o tipo de drama, o tom de forma geral. Nessa intrigante história de duas mulheres (Irère Jacob), nascida ao mesmo tempo (em Paris e em Varsóvia), parecidíssimas fisicamente, e com uma espécie de ligação cósmica.

As duas se entregam ao amor, vivem ao redor da música, mas fazem escolhas diferentes que nos remetem ao “e se escolhêssemos esse outro caminho”. Amor, morte, desejo, tão diferentes, ainda assim podem se posicionar tão próximos, numa linha limítrofe quebrável facilmente. O especial é como Kieslowski narra a história do duplo, essa carga de dramático e artístico, essa ligação que sai da coincidência, quando a forma é mais importante do que o resultado final.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s