O Abismo Prateado

oabismoprateado

O Abismo Prateado (2011) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Tomando por base a fabulosa canção de Chico Buarque (Olhos nos Olhos), o diretor Karin Aïnouz narra um momento dramático na vida de Violeta (Alessandra Negrini). O inesperado rompimento do casamento, via mensagem de voz no celular, desbaratina a dentista. Ela não consegue trabalhar, pensar, cuidar do filho. Único refugio, abandonar tudo, sair por ai, sofrer.

Quem conhece a canção sabe que ela não trata do rompimento, mas de um momento logo a seguir, um pouco mais sereno, que demostra forte afeto, porém uma maturidade para seguir adiante. Aïnouz escolhe a fase traumática, neurótica, e simplesmente mergulha a protagonista na noite carioca (bares, motel, praia, banheiro público). Um universo bem condizente com seu cinema, porém pouco voluntarioso à própria história, seja pela incapacidade dos coadjuvantes da noite fugirem do lugar-comum, seja pela condução quase precária de Aïnouz pelo sofrimento tão dolorido e inesperado dessa mulher. E ainda há as versões da música, populares, distantes da força dos versos de Chico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s