Amor Profundo

amorprofundoThe Deep Blue Sea (2011 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

The Deep Blue Sea, um dos títulos mais lindos que eu já vi para um filme. Remete a tristeza, melancolia, e sofisticação. Elementos que não faltam ao trabalho de Terence Davies. Rachel Weisz é essa mulher sofrida (atuação madura, contida mas carregada de pesar), troca o casamento seguro com um juiz pela aventura romantica e sexual com um piloto da aeronáutica britânica. Os tempos são de pós-Segunda Guerra.

Impossível não chegar semelhanças com o estilo de Wong Kar-Wai, a fumaça dos cigarros, a mulher caminhando por um corredor, o tema do amor distante da felicidade, são muitas as semelhanças. Como também há diferenças, a música (tão presente para os dois), porém bem diferente, Davies a utiliza para aprofundar os sentimentos, até quando nem é mais necessário. E Davies é muito mais narrativo, pouco poético, os movimentos dos personagens tem clareza, as falas são diretas, é de uma beleza dura, chamuscada. A beleza melancólica. Mas há algumas cenas desencontradas, talvez mal editadas, que padecem de nexo como um todo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s