Um Toque de Pecado

Publicado: novembro 1, 2013 em Cinema, Mostra SP
Tags:, ,

umtoquedepecadoTian Zhu Ding / A Touch of Sin (2013 – CHI) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

Jia Zhang-ke planejava um filme de artes marciais, quando deu de encontro com relatos (num site chinês semelhante ao Twitter) de histórias de violência urbana na China moderna. Garimpou quatro dessas histórias verídicas, e reformulou completamente seu plano inicial. Corrupção, abuso de poder, a violência crua imersa no contexto social. Pequenos sinais do quanto as coisas estão erradas, e, o pior, estamos tão atordoados que consideramos como normal.

Todas as histórias tem em comum o vinculo empregatício, algumas mais explícitas, como o trabalhador de uma mina de carvão e sua fúria contra a exploração dos líderes e patrões. Outras menos, como o garoto que larga o emprego e troca de cidade, para não ter que trabalhar de graça (por algumas regras da empresa). Os 4 mensageiros da violência são tocados pelo pecado, levados a se rebelar e levar ao extremo uma rebeldia contra sua posição de subalternos.

umtoquedepecado2Num ritmo bem mais dinâmico que seus trabalhos anteriores, Zhang-ke não perde sua perspicaz maneira de refletir sobre sua China contemporânea. Abismado com a anormalidade das relações sociais, o cineasta filma com elegância e sofisticação esses caminhos de brutalidade, essa sensação de impotência que eclode num tipo de violência sem limites, o fazer justiça com suas próprias mãos. Por meio dela que Zhang-ke nos entrega um poderoso trabalho sobre as aberrações que só nos incomodam quando nos atingem verdadeiramente.

comentários
  1. […] Um Toque de Pecado, de Jia […]

    Curtir

  2. […] é contido, Jia proporciona alguns inesperados momentos dramáticos, quando fala do pai, ou quando Um Toque de Pecado é reprovado pela censura. Mas, até lá, já corremos tanto aquela região, revivendo as ruas onde […]

    Curtir

  3. […] perceptível que o cineasta chinês Jia Zhang-ke entrou em uma nova fase na carreira, desde Um Toque de Pecado. É um cinema mais saudosista, em As Montanhas Se Separam já se apresentava como um novelão […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s