Quando Eu Era Vivo

Publicado: fevereiro 10, 2014 em Cinema
Tags:, , , ,

Quando-Eu-Era-VivoQuando Eu Era Vivo (2014) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Um filme de terror sem sustos, mas com aquele incômodo latente, que se acentua enquanto a trama mergulha mais no mundo sobrenatural. Adaptação de livro escrito por Lourenço Mutarelli, o diretor Marco Dutra volta a tratar da classe média, sua visão é de pessoas fragilizadas, seja financeira, seja emocionalmente.

Marat Descartes é o filho, retornando a casa do pai (Antonio Fagundes) por estar se separando da esposa. Um personagem deveras perturbado, o filme tenta pregar suas teorias que intensificam esse comportamento, mas desde o início sua esquisitice destoa a tal ponto que essa transformação fica camuflada. Ao revirar o passado, buscando objetos e lembranças da mãe falecida, a presença do sobrenatural parece tomar conta do filho, o pai descrente assiste ao mergulho do filho nas profundezas.

Há ainda Sandy, uma universitária interiorana que estuda para seguir carreira de cantora (explicado o porquê de sua escalação). Sandy é esforçada, mas pesa sobre ela limitações nítidas e o estigma de ser quem é. As razões de ter sido escolhida são as mesmas que pesam sobre ela, se Sandy pretender seguir carreira de atriz, deveria se distanciar da música nos filmes (ao meu ver). As três peças desse quebra-cabeças, que habitam esse apartamento, mergulham (a seu modo) nessa atmosfera que lentamente traz à tona as explicações da presença maligna que assombra aquelas almas.

Ao mesmo tempo que o sobrenatural se fortalece, há sempre o peso da vida classe-média, a dificuldade da relação pai x filho, um pequeno turbilhão de temas que não parecem se esgotar, que não parecem seguir para um mesmo desfecho. Até que os caminhos apontem para uma única direção (nisso a participação de Tuna Dwek é imprescindível), o incomodo permanece com você até os créditos finais, culpa do belo trabalho de luz e som. Porém, a narrativa está longe de ser intrigante, arrastada, e aquela sensação de que tudo fechou perfeitinho, mas era apenas isso?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s