Era uma Vez em Nova York

Publicado: maio 26, 2014 em Cinema
Tags:, , , ,

aimigranteThe Immigrant (2013 – EUA) estrelaestrelaestrelaestrelaestrela_cinza

A crítica está maravilhada. Na web, mundo à fora, os elogios são intermináveis. Depois de ter concorrido em Cannes 2013, o filme acabou guardado, ficou de fora da corrida do Oscar (Gray não é da turma que é indicada ao prêmio, mas está sempre presente em Cannes), e está sendo lançado agora, em muitos países. Em breve nos cinemas brasileiros.

A fuga é um tema recorrente no cinema de James Gray, normalmente a abordagem está focada no que/onde se tenta fugir. Os conflitos estão na origem, pouco importa o destino. Em seu quinto filme, Gray muda um pouco a ordem das coisas, Ewa (Marion Cotillard) foge das guerras do início do século passado na Europa. Busca nos EUA um local seguro, onde possa prosperar, como seus tios que lá estão. O filme todo ocorre no destino, no novo mundo, no local que carregava esperança até sua chegada.

Nada acontece como nos sonhos, Ewa acaba nas garras de um cafetão, Bruno (Joaquin Phoenix), a quem ela desenvolve uma estranha afeição, enquanto ele uma paixão inesperada. Pela elegância da condução de Gray mergulhamos pela Nova York underground, dos cabarés e da prostituição, com requinte, mesmo que para todos os bolsos. Gray não está denuncinado o tratamento pouco hispitaleiro dos americanos, não, longe disso. Seu filme é sobre o local da fuga, é sobre a esperança corrompida, a determinação de prosperar, de recuperar a irmã, do amor posto ao segundo, talvez, terceiro plano.

O mágico Emil (Jeremy Renner) é outro sinal de esperança, outra promessa envolta a interesses amorosos. Nasce um triângulo amoroso de amores que não se perpetuam. São imperfeitos, irregulares, tomados pela equação coração x razão. A querida imigrante polonesa passa apuros, abusos, Gray é sempre comedido em seus dramas, por mais pesados que possam ser. A passividade é bela, a maturidade soberana, e a beleza da discussão final é algo além do exemplar.

comentários
  1. […] Era Uma Vez em Nova York, de James Gray […]

    Curtir

  2. Brooklyn | disse:

    […] britântico Nick Hornby, do romance escrito por Colm Tóibín. Provavelmente eles não tenham visto Era uma Vez em Nova York porque a comparação inevitável é mortal ao novo […]

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s