A Teoria de Tudo

ateoriadetudoThe Theory of Everything (2014 – EUA) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Um dos mais cotados postulantes ao Oscar 2015, a nova cinebiografia do físico Stephen Hawking (Eddie Redmayne) busca os limites do piegas melodramático. Lembra muito Uma Mente Brilhante, mas desce ainda mais profundamente em todos os elementos capazes de traumatizar as lágrimas de um público que esteja ávido por isso.

O roteiro é baseado no livro escrito pela primeira esposa, Jane Hawking (Felicity Jones), e há muito dela no filme, ela praticamente rivaliza o protagonismo de Hawking na história. Porém, o que sua personagem tem a oferecer? Uma mãe dedicada, uma esposa que encara de frente as lamentações físicas do marido gênio? Pouco que acrescente realmente há história de Hawking. O fraco telefilme da BBC não dá toda essa importância, consegue focalizar melhor as idéias e trabalhos de Hawking, o cineasta James Marsh prefere o romantismo, por isso surge com força a presença de Jonathan (Charlie Cox), outro que nada oferece a persona de Hawking.

Restam dramas, cujos atores principais não conseguem ir muito longe em suas atuações, e falta a figura de Hawking, o tamanho de sua importância para o mundo da física. Não basta colocar um plano com a capa dos livros sendo vendidos nas livrarias, claro que dosar o tom das conversas científicas é algo delicado, praticamente bani-las já é uma amputação da própria paixão do cinebiografado, de demonstrar quem ele realmente é.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s