O Jogo da Imitação

ojogodaimitacaoThe Imitation Game (2014 – Reino Unido) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

É tamanha a preocupação com recriar a época, gravar nos locais onde se passaram os fatos, usando as máquinas originais da Segunda Guerra, e outras purpurinas que o cineasta norueguês Morten Tyldum esquece do cinema. O filme é quadrado, esquemático, racional, quadrado, consequentemente chato. Alan Turing (Benedict Cumberbatch), o pai da computação, é interpretado com todo refinamento, o tom correto para um matemático homossexual que precisava esconder sua opção sexual (proibida por lei na Inglaterra na época). Cumberbatch dosa esse refinamento com pitadas de humor e toda a estranheza antissocial de um típico gênio da matemática. O problema está longe dele, ou da história “que precisa ser contada”.

Os coadjuvantes que não tem peso algum (Kiera Knightley, Mark Strong e etc), a trama narrada nessa cortina de zelo com questões técnicas oferece como resultado um quase telefilme de tão contido e funcional. Demasiadamente narrativo para um grupo notável que através da criptografia desvendou os códigos secretos alemães e modificou os rumos da Segunda Guerra Mundial.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s