Últimas Conversas

ultimasconversasÚltimas Conversas (2015) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Nossa curiosidade mórbida é maior que o respeito ao autor, por isso, quando um artista morre antes de encerrar um trabalho (filme, disco, o que for), essa curiosidade, aliada aos interesses econômicos do “último trabalho de fulano” resultam na finalização do trabalho, sem aval do criador.

O ducmentário é aberto com um depoimento do próprio Eduardo Coutinho (que morreu antes de que a edição fosse concluída), discutindo o conteúdo do material gravado, se queixando do resultado pífio (segundo sua opinião). Enfim, deixando claro que aquele material não lhe agradava, não havia conteúdo interessante para um filme.

Pois bem, João Moreira Salles e Jordana Berg finalizaram o filme. Tentaram dar um ar mais pessoal, colocar mais de Coutinho no ducmentário. Transformando assim a autocrítica, a análise de quem está descontente e precisar entregar o filme para “pagar as contas, sobreviver”, mesmo que resultado não represente a qualidade de cinema que ele busca.

Eu jamais lançaria esse filme, as entrevistas com os estudantes não são interessantes, Coutinho demonstra seu desinteresse nos personagens, ou fala mais que eles tentando extrair alguma coisa. E o filme vai soando melancólico, até traça um panorama com a repetição de temas (e problemas familiares) que tais jovens expõem. Mas, é pouco, Coutinho alerta para isso, mas, era óbvio que esse material seria jogado ao público, era impossível conter a curiosidade.

Anúncios

2 comentários sobre “Últimas Conversas

  1. O filme me fez pensar muito em livros postumos, e aquele impressão mesmo de obra incompleta que é interessante de conhecer, mas que claramente ficara na gaveta do autor por um motivo.

    Acho de qualquer forma útil ter em mente que este tom de desanimo do Coutinho na do começoera o habitual dele em praticamente todos os projetos dele. O documentário sobre as filmagens do Edificio Master por exemplo tem vários momentos dele agindo como se não tivesse um filme ali.

    Curtir

    • Tinha essa impressão dele, mas não a certeza que você agora me traz. Esse ar autocrítico e pessimista de seu trabalho, mas, dessa vez, me parece ainda mais forte, porque é nítido o pouco que se extraira das entrevistas..
      A questão do póstumo é tão complicada, obras inacabadas, trabalhos arquivados pelo autor, e depois tudo é lançado por critérios mercadológicos.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s