Indie 2015

Publicado: setembro 16, 2015 em Cinema, Festivais no Radar
Tags:, ,

indie2015capasiteDepois de passar por BH, começa hoje, novamente com exlusividade no Cinesesc, a temporada paulistana da 15ª edição do Festival Indie. A cada ano mais solidificado e representativo, já se tornou o marco do início da temporada dos festivais no Brasil que exibem os grandes destaques do ano. E este ano, novamente, a programação está recheada de destaques aos cinéfilos. Por exemplo, os fãs poderia assistir ao documentário Eu Sou Ingrid Bergman, comemorando o centenário da atriz.

Um dos mais aguardados, sem dúvida, é o novo filme de Apichatpong Weerasethakul (que em edições recentes foi alvo de retrospectiva completa no Indie), o seu Cemitério do Esplendor foi exibido na Un Certain Regard deste ano, juntamente com o romeno O Tesouro de Corneliu Porumboiu. Sensação em Sundance, o americano Tangerina de Sean Baker (Príncipe da Broadway e Uma Estranha Amizade), do festival de Roterdã vieram La La La at Rock Bottom, de Nobuhiro Yamashita, os chineses Pai e Filhos, do chinês Wang Bing e Poeta em Viagem de Negócios, de Ju Anqi, e o principal destaque para Ponto de Fuga, do tailandês Jakrawal Nilthamrong.

De Locarno, o retorno do argentino O Movimento, de Benjamin Naishtat (Bem Perto de Buenos Aires), de Veneza Hill of Freedom, do celerado coreano Hong Sang-soo. De Tribeca chega Necktie Youth, de Sibs Shongwe-La Mer. E de Berlim, de olho em Contando, de Jem Cohen, e no turco Até que eu Perca o Fôlego, de Nefesim Kesilen Kadar. Fora dos grandes festivais, O Paraíso, do veterano Alain Cavalier, e Na Ventania, dirigido por Martti Helde pode ser interessante. E para quem ainda não viu na última Mostra SP, tem A Ilha dos Milharais, que ganhou a edição de 2014 de Karlovy Vary.

Há ainda duas retrospectivas, a ainda pouco conhecida no Brasil, Kira Muratova, cineasta russa de muitos trabalhos censurados na União Soviética. A do lituano Sharunas Bartas compreende todos seus trabalhos, para quem está preparado para filmes silenciosos, os filmes de Bartas são experiências imperdíveis que normalmente são destaques nos grandes festivais internacioanis. A abertura do evento será realizada com seu último trabalho Paz para Nós em Nossos Sonhos, que também esteve em Cannes, e seus demais filmes também merecem atenção: Na Memória de um Dia que Se Foi, O Corredor, Três Dias, Pouco de Nós, A Casa, Liberdade, Sete Homens Invisíveis, Renegados do Leste (que no Indie foi batizado como O Nativo da Eurásia).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s