Visita ou Memórias e Confissões

visitaoumemoriaseconfissoes

Visita ou Memórias e Confissões (1982 – POR)

Rodado em 1982, e guardado desde então na Cinemateca Portuguesa, o filme-testamento de Manoel de Oliveira só pode ser exibido ao público após sua morte. Foi filmado em razão da venda da casa onde o cineasta português viveu por quareta anos, talvez os mais importantes de sua vida pois foi o período onde nasceram seus filhos e netos e onde sua carreira pelo cinema se solidificou.

Da necessidade financeira de se desfazer do imóvel, Manoel cria uma poesia visual, com textos de Agustina Bessa-Luis, nas vozes de Diogo Dória e Teresa Madruga, enquanto o próprio conta sua história. Seu casamento, o período em que passou preso, a falência da fábrica do pai, movimentos políticos portugueses e outros fatos tão pessoais, contados de forma tão particular.

Sua vida centenária (naquele momento já tinha mais de setenta anos) se entrecruzam com a história de seu país e de seus conterrâneos. A delicadeza com que fala à câmera e exibe vídeos caseiros dão saudade dos filmes que poderiam ter sido filmados pelo mestre, saudades da sua proximidade com a literatura, e sua capacidade de desenvolver contos morais com a polidez costumeira. São suas memórias e confissões, uma visita que ele nos permitiu depois que já não estivesse entre nós para dar explicações de tudo aquilo, e por isso, não é um filme que possa ser classificados em estrelinhas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s