Ausência

ausencia

Ausência (2014) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Um homem tirando parte dos objetos de um apartamento, “pode carregar a tv, mas deixa o videogame que é dos meninos”. Lá se foi a figura paterna daquela casa, a mãe fragilizada se entrega ao álcool e à melancolia e sobrecarrega o filho adolescente (Matheus Fagundes) a trabalhar e cuidar do irmão mais novo. Nete segundo longa-metragem de ficção de Chico Teixeira, o diretor segue o mesmo caminho que trilhara em A Casa de Alice. Dramas familiares, famílias em decomposição e o mundo suburbano paulistano. Enquanto filma a cidade, coloca todo o peso do mundo sob as costas de Jorginho.

A necessidade do garoto por uma figura forte em casa traz todo o peso dessa ausência. Teixeira filma em planos fechados, constrói essa transição entre o ser criança, e ser adulto, envolto num grau de responsabilidade ainda maior numa casa tão fragilizada. É o mundo do cada um por si, por mais que Jorginho tente preencher esse vazio, ainda que jamais correspondido totalmente. Ainda é cedo, mas Teixeira vai construindo sua carreira autoral emplacando seus filmes em mostras paralelas dos grandes festivais, levando um tipo de cinema que deveria ser mais explorado por aqui.

Anúncios

Um comentário sobre “Ausência

  1. Pingback: Top 5 – 2015 – Cinema Nacional |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s