Body

body

Cialo / Body (POL – 2015) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Está claro que o filme trata de diversos tipos de reações à perda. Da anorexia da adolescete que perdeu a mãe e se revolta com o pai, a própria reação pouco emotiva com sua viuvez. A eles se adiciona a terapeuta com o dom de se comunicar com os mortos, e que também tem seus traumas recentes. Partindo desse peso da perda, a diretora polonesa Malgorzata Szumowska brinca timidamente com essa relação espiritual com os mortos.

A brincadeira inócua esbarra nesse tom irônico, como o legista encontrar restos humanos e na cena seguinte tomar uma sopa com pedaços de carne. É por esse pretenso humor que Szumowska tenta trafegar os dilemas pessoais dessa trinca de personagens. Há sempre a forte presença corporal, nas sessões de terapia em grupo, ou no trabalho do legista, mas essa colcha de retalhos nunca se encontra como uma unidade única. De quem havia cometido o filme anterior Elles, podemos até considerar um avanço, que não vai além do simpático.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s