Capitão Fantástico

capitaofantasticoCaptain Fantastic (2016 – EUA) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Vivemos o boom da informação, uma rápida busca no Google e Youtube e já se consegue ser especialista em assuntos até então desconhecidos, todas as respostas possíveis estão acessíveis. Nesse aspecto, criar filhos se tornou a arte obrigatória da superproteção vide cartilhas espalhadas em sites, revistas e cursos especializados. Já ultrapassaram os limites do neurótico, e em breve saberemos qual o futuro dessa geração tão superprotegida de todos os germes, males, e cobertas das mais perfeitas técnicas de educação familiar.

O diretor Matt Ross (premio de melhor direção na Un Certain Regard) tenta propor a quebra radical dessa equação. O Capitão Fantástico é John (Viggo Mortensen), pai de seis filhos que junto da esposa decidiram abandonar as regras da sociedade e criar suas crianças do seu jeito, no meio da floresta. Alfabetizados pelos pais, com acesso restrito ao convívio com outros humanos, e sob rígidos cursos familiares, a família se posiciona entre o militar e o hippie.

Metade do filme posiciona as vantagens do conhecimento adquirido, muito acima da média, pelos filhos. Até, finalmente, apresentar o elemento conflitante do roteiro, e pouco-a-pouco apontar asa fragilidades do conceito. O discurso de uma esquerda radical se perde exatamente em conceitos morais elementares, e o roteiro não se sustenta bem além de uma aventura liderada por um teimoso dono da razão. É pouco para o frisson causado em Cannes.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s