Porto

portoPorto (2016 – FRA/POL/POR) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Um dos bons exemplos das possibilidades que o cinema oferece, ao se fugir dos padrões normais de estrutura e narração. Ainda em seu segundo longa-metragem, o primeiro de ficção, o brasileiro radicado nos EUA, Gabe Klinger, oferece um pequeno prazer cinematográfico. Garrel, Cassavetes, Nouvelle Vague, não faltam referências que possam ser destacadas. Mas, há algo além que deve ser muito creditado a Klinger também, mesmo que seja nos personagens nem tão encantadores, e até problemáticos, de alguma forma. Seja na forma como expõe o amor fugaz com truculência e aspereza. Seja apenas por encontrar no balbuciar, muitas vezes, uma forma de expressão (diálogo).

A cidade de Porto filmada em esplendor. Noturna, romântica e iluminada, e ainda posicionada como um terceiro personagem, que se oferece de palco, para um (des)encontro infortúnio de um casal quase improvável. Os personagens praticamente presos, como reféns da narrativa, que embaralha a cronologia e os mantém ali, incapazes de seguir adante no tempo, orbitando no espaço que permite ao público flutuar pela atmosfera, e pouco importar com o que veio antes  ou depois. Basta ver Jake (Anton Yelchin) e Mati (Lucie Lucas), e esse conjunto de cenas embaralhadas, que dão cabo de contar um romance tão irracional.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s