Estopô Balaio

Estopô Balaio (2017 – BRA) 

Sempre curioso quando um filme resgata alguma questão afetiva pessoal mais forte, o documentário de Cristiano Burlan me fez recordar da minha avó e de parte da minha infância imediatamente. Explico: durante muitos anos, para as visitar semanais que fazíamos, precisava esperar por horas o ônibus Jardim Romano, que ficava muito perto de sua casa.

Lá, diversas vezes, ouvia histórias das dificuldades dos moradores do bairro, principalmente das enchentes. E o documentário mira exatamente nessas lembranças, as cruéis e absurdas histórias absurdas das enchentes. Um bairro de pessoas tão humildes e que perderam muitos bens materiais (sofá, cama, televisão), mas principalmente enfrentaram semanas vivendo em ruas que se tornaram rios, com água até o joelho, e chegando a se locomover de barco. Entre o absurdo e o descaso, um local só recordado, pelo restante da cidade, quando a situação atinge um ponto de aberração desse tipo.

Entre personagens encatadoras e pequenos movimentos culturais, Burlan nos convida a alternar a tragédia coletiva em pequenas tragédias pessoais aos nos apresentar a vida cotidianda de alguns personagens. Num paralelo recordar histórias e capas de jornal, enquanto faz um paralelo com alguns movimentos culturais do bairro que tentam resgatar a vida em coletivo e as desesperanças pessoais. Dentro da simplicidade de sua proposta, Estopô Balaio deixa registrado quem vive como todos, mas ainda clama apenas pelo básico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s