Lady Macbeth

Lady Macbeth (2016 – RU) 

Destaque da competição do Festival de San Sebastian em 2016, marca a estreia como diretor de longa-metragens do britânico Wiliam Oldroyd, de carreira mais destacada no teatro. Trata-se da adaptação do livro clássico de Nikolai Leskov, uma visão totalmente focada em sua protagonista, claramente (e declaradamente em entrevistas) uma opção para caber dentro do baixo orçamento.

Sua relação com o teatro é facilmente notada, seus planos são rigorosos, mas há uma linha imaginária que separa o público do set, delimitando o espaço e profundidade. Nesse “tablado”, quase todo filmado dentro da casa onde a jovem, tão cheia de vida, se enche de tédio, num casamento arranjado. Quase uma esposa transformada em prisioneira, tão jovem, com seus vestidos vistosos, apaixona-se durante a ausência do marido.

Amor obsessivo, despreocupação com aparências, a jovem vai acima dos limites para manter sua felicidade, mesmo que isso resulte em assassinato. Oldroyd pode não dialogar tanto com o público, mas é austero em sua forma de mostar uma mulher que vai do explosivo à calculista, abandonando as barreiras do bom-senso, ainda que se possa questionar algumas opções do roteiro. Tanto vigor emocional fica preso pela fixação do diretor de ter tudo sob seu controle visual, onde as explosões de emoção parecem contidas dentro de sua direção rigorosa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s