Uma Mulher Fantástica

Una Mujer Fantastica (2017 – CHL) 

Depois do sucesso de seu filme anterior, Glória, o chileno Sebatián Lelio volta a ganhar destaque internacional com seu premio de melhor roteiro no festival de Berlim. Novamente tem uma personagem feminina como protagonista, só que dessa vez, prefere discutir outras questões que ainda parecem tabu na socidade moderna.

Marina (Daniela Veja) é uma mulher transexual namorando um homem mais velho que tem uma morte repentina. De mero aposto para a familia, Marina se vê como cerne da perseguição de todo o preconceito, amargura e desprezo que a escolha anterior do patriarca causou a sua ex-mulher e filhos. Violência, desrespeito, invasão de privacidade, o filme de Lelio oferece toda essa perspectiva evasiva (pscicológica, social ou física). O constrangimento como forma de extrapolar julgamentos. E nesse momento de dor, e de comportamentos tão caótica, Marina frágil, insegura, se vê numa sociedade incapaz de acolher e que lhe cobra uma dose de coerência social que ninguém sequer rascunha ter para com ela. É um belo filme de recolhimento sentimental, de imposição de gênero, e de sobrevivência urgente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s