Mariphasa

Mariphasa (2018 – POR) 

Peças espalhadas de um quebra-cabeças que não precisa ser montado: um carro batido, um segurança noturno, a amante, o estranho vizinho, o cão que não pára de latir, a filha que morreu, um roubo, a noite.

O jogo de luz e sombra, o destacado rigor estético. Trafegando por uma narrativa longe do que chamamos convencional, o cineasta português Sandro Aguilar apresenta uma Lisboa sinistra, obscura, de ambientes fechados ou quase abandonados. De personagens que vagam entre o inconsolável e o misterioso. Por entre as sombras, as esparsas pistas para uma mera compreensão de tudo, ou apenas se deixar hipnotizar pela Mariphasa, a flor que tira a vida da lua.


Festival: Berlim 2018

Mostra: Forum

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s