Uma Casa à Beira-Mar

La Villa (2017 – FRA) 

Robert Guédiguian é figura constante nas estreias de filmes franceses. Boa parte de seu cinema parece casar perfeitamente com um café para iniciar falando do filme, passar por política e acabar comentando sobre, algo como, seu gato. Tem constante tom de humanismo, diálogos bem redigidos e um sabor de tentar colocar reflexões brandas em seu público.

Aqui temos três irmãos que vem visitar o pai em estado catatônico. Mágoas do passado se confundem com a situação atual de cada um irmãos, que são enriquecidas com as características marcantes de cada um deles (o sarcástico, o que abdicou de tudo para seguir nas tradições e junto ao pai, a atriz deprimida. Guédiguian flerta com o resgate do passado, enquanto tenta trazer questões como velhice e o fim da vida, o tema dos refugiados, a vida burguesa e a nova juventude.

Seus filmes mais recentes não inspiram muito, alguns agradam mais, outros menos, mas todos tem essa sensação meio antiga de um ritual que seria ir ao cinema, e o passeio completo que pode proporcionar. Vai melhor nos temas mais próximos, e apenas arranha, de forma rasa, temas mais complicados como essa desenfreada imigração que a Europa tanto conflita.


Festival: Veneza 2017

Mostra: Competição

Anúncios