Mormaço

Mormaço (2018) 

A conexão com Aquarius, de Kleber Mendonça Filho é automática, prejudicial ao filme de Marina Meliande. Afinal, temos um prédio cujos moradores estão vendendo e saindo de seus apartamentos, a construtora que negocia quer realizar a demolição. Porém, há ainda poucos moradores reticentes, que não pretendem sair dali, entre eles a jovem advogada Ana (Marina Provenzzano). A trama se passa no Rio de Janeiro, pouco antes dos Jogos Olímpicos, a cidade em obras

A advogada defende um grupo de moradores de um local bem esquecido da cidade, onde o governo precisa retirá-los urgentemente para completar as obras das Olimpíadas. No meio desse clima tenso, de todos os lados, o filme insere um interessante elemento fantástico. Critica social e terror psicológico formam uma consistente atmosfera, por outro lado a semelhanças com o filme de KMF diminuem a sensação de frescor. Além de algumas interpretações nada inspiradas entre os não-atores coadjuvantes, resultando assim num filme irregular, ainda que necessário em seus pontos criticos e curioso por esse flerte com o inesperado.


Festival: Rotterdã 2018

Mostra: Hivos Tiger Competition

Anúncios

Um comentário sobre “Mormaço

  1. Pingback: Festival do Rio 2018: dicas |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s