Ilha

Publicado: agosto 8, 2019 em Cinema
Tags:,

Ilha (2018)

Depois do sucesso de critica, a dupla Glenda Nicário e Ary Rosa volta com altas doses de experimentação. Começando pela trama onde um jovem da periferia quer fazer um filme sobre sua vida e sequestra um cineasta baiano e o obriga a realizar as filmagens. Muita licença poética na forma de convencer, de evoluir entre ficção e docudrama, enquanto os diretores filmam ângulos mais que inusitados e um ritmo narrativo que foge, completamente, dos padrões estabelecidos.

Tanta experimentação é um risco que a dupla corre, e nem tudo funciona. Algumas cenas são vistosas e funcionais, outras ficam apenas na vontade de experimentar formatos e maneiras de abordar esse misto de repulsa, amizade e atração. Música, o beira-mar, o vento do fim de tarde, e o resgate de memórias afetivas ou traumáticas, está longe do onírico, mas quase radical em muitas de suas propostas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s