A Longa Caminhada

Publicado: setembro 5, 2019 em Cinema
Tags:

Walkabout (1971 – RU/AUS)

Walkabout faz referência a um costume aborígene de lançar jovens, quando chegam na adolescência, a passar um tempo vagando no deserto, uma forma de acelerar a maturidade. O diretor britânico Nicolas Roeg parte do conceito para criar o walkabout de uma jovem, e seu irmão pequeno, vagando perdidos pelo deserto, após a morte do pai, até encontrarem com um aborígene em seu período de walkabout.

Os três passam alguns dias vagando, criando uma forma de comunicação, se adaptando entre si. E assim, o cineasta cria um filme tão cru e inesperado em seus caminhos, tanto no que se refete à sobrevivência, quanto à comunicação, ou os sonhos. A paisagem árida, o tom de aventura e de total noção de estar perdido dá lugar a essa possibilidade de explorar o desconhecido, de vivenciar  a caça para ter o que comer, ou cavar a terra para encontrar água.

E Roeg não fica apenas com essa vivência das diferenças, ele também ousa ao inserir imagens, entre cortes secos, que fazem referência ao nosso capitalismo perverso. Em provocar a proximidade sem que haja tensão sexual explicita, ou sensualizar uma Lolita. Prefere a poesia dura do final do filme, quando a esperança renovada de um marca a desesperança de outros. É o tipo de filme que só cresce na memória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s