Lamparina da Aurora

Lamparina da Aurora (2017) 

Em entrevistas sobre seu novo filme, o diretor Frederico Machado gosta de frisar sua relação forte com a imagem. E é ela quem salta aos olhos desde o primeiro plano de seu novo longa-metragem. O silêncio, as cores fúnebres, aliás o peso da morte está por todos os cantos. Quase um Bela Tarr maranhense, com a forte presença do onírico. São apenas três personagens, um casal idoso e um jovem que, misteriosamente, passa a frequentar a casa. Os diálogos são trocados por poemas, narrados em off, do poeta Nauro Machado (pai do diretor). E esse conjunto tão elaborado versa sobre velhice, morte, e outras temas que os que se permitirem mergulhar na narrativa lenta e abstrata, podem dialogar de maneira quase espiritual com personagens que vagueiam entre o drama e o horror. Machado se firma como cineasta de autoridade sua, e que coloca sua terra natal na geografia do cinema nacional.

Anúncios

Verão 1993

Estiu 1993 / Summer 1993 (2017 – ESP) 

Talvez seja o mais destacado filme espanhol do ano, dentro do circuito dos festivais, e por isso o escolhido para representar o país no Oscar. A estreante Carla Simón traz às telas, de maneira tão singela, a própria história da sua infância, que foi definitiva para os rumos de sua vida. Aos nove anos, após a morte dos pais por AIDS, passou a morar com os tios.

Mudar de casa, parentes que se tornam pais, uma prima que vira irmã, e a ausência dos pais biológicos. É muita mudança na cabeça de uma criança, em entrevistas a cineasta diz que não se lembra de todos os detalhes, mas que essa é realmente sua história. Quase sempre com câmera na mão, ela acompanha a menina que tenta se encaixar em sua nova realidade, e varia entre a imaturidade e momentos mais egoístas. Além do próprio caos familiar que os falecimentos causam. Simón consegue transmitir sua história através desse olhar meio desorientado de uma garota sem opção, uma Mia Hansen-Love à espanhola, com a leveza da memórias de quem buscava um novo espaço para superar o estranhamento de um novo mundo.


Festival: Berlim

Mostra: Generation

Prêmios: Melhor filme de estreia

EP 103 – Vítima, Assassino e Detetive

Hip hop, Agatha Christie e o filme escolhido pela Noruega para a disputa do Oscar: a Varanda novamente traz um episódio bem variado.

Uma das maiores estreias do circuito na semana, Assassinato no Expresso do Oriente (27:00) faz o revival nas telas das adaptações da romancista inglesa que marcou a literatura policial, dessa vez sob interpretação de Kenneth Branagh.

Já na seara indie, o estreante Geremy Jasper surpreende com sua divertida jornada da heroína em Patti Cake$ (46:16). E Joachim Trier também foge dos padrões num drama de forte apelo sobrenatural, Thelma (58:36).

A movimentada semana do Boletim do Oscar (17:42), Cantinho do Ouvinte e, na nova rodada de Recomendações (1:11:05), destaque para a Retrospectiva do Cinema Brasileiro no Cinesesc (com curadoria do varandeiro Chico Fireman) e doc da Netflix com Jim Carey nas filmagens de O Mundo de Andy. Bom podcast!

________________________________________________________________________________

Sempre bom lembrar que o jeito mais fácil de acompanhar as atualizações é nos seguir nas Redes Sociais, ou assinar no Itunes ou Feed.

Patti Cake$

Patti Cake$ (2017 – EUA) 

No fundo, não passa de uma história convencional de superação, de buscar seu sonho, como tantos outros filmes já narraram, seja pela música, pelos esportes, ou outras áreas. O que o estreante Geremy Jasper (que além de dirigir, escreveu as músicas) tem de inusitado é essa conectividade instantânea entre filme, o mundo do rap, e seu ritmo narrativo. Porque os personagens estão lá, à beira da amargura, movidos apenas pelo desejo de se sobressair enquanto vivem no subúrbio. Mas, o filme dialoga muito bem com esses pequenos guetos que frequentam, e com os dramas familiares que enfrentam.

Fora isso, é muito do carisma da dupla Danielle Macdonald e Siddharth Dhananjay que ri ou chora, sofre e se emociona, mas sempre se contagia quando a música ganha espaço. Jasper sabe lidar com essa empolgação de quem não tem nada, só seus sonhos e permite que eles possam transpor sua individualidade para, ao menos, tentar.


Festival: Sundance

Mostra: U.S. Dramatic

Prêmios: 

Gimme Shelter | Grey Gardens

Gimme Shelter (1970 – EUA) 

Grey Gardens (1975 – EUA)

Estes são dois dos mais celebrados trabalhos dos irmãos documentaristas americanos Albert e David Maysles, nomes praticamente sinônimos do cinema-verdade. Do estilo marcante deles, em que tentavam apenas retratar, causando o mínimo de influência nos personagens e ambientes, a dupla extraiu filmes fortes, e a possibilidade de refletir sobre questões contundentes. É o caso desses dois retratos em destaque.

Gimme Shelter foca na turnê dos Rolling Stones, em 1969, momento pós-Woodstock, e momentos de tensão com violência e morte em meio a multidão. As imagens se dividem entre parte das performance de Mick Jagger e sua banda, momentos dos bastidores pós-show e cataclisma, e as imagens das confusões e brigas. Mostra um povo americano intolerante, descontrolado, e com um grupo de fortões querendo colocar ordem “do seu modo”. Impressiona a riqueza de material, mas, principalmente a atmosfera de violência que os Maysles conseguem impor com a edição que desconstrói a cronologia.

Grey Gardens trata da surpreendente história de uma tia e prima da ex-primeira dama Jackie Kennedy, que viviam numa mansão tão mau-cuidada que foram notificadas pela prefeitura “limpem e conservem, ou saiam”. Retrato da degradação de uma família da alta sociedade cuja a queda do padrão financeiro apresenta seus resultados, sem que as duas aceitem mudar seu estilo de vida. Restam os gatos, a sujeira, e as histórias da época de ouro. Duas mulheres completamente alheias ao bom senso, que levam sua vida à deriva, beirando o cômico e o manicômio. Os irmãos Maysles escancaram a degradação humana enquanto elas, sem pudor do caos familiar, agem com a naturalidade pueril de quem nunca perdeu a realeza, mesmo que na miséria.

EP 102 – Os Mortos-Vivos Se Divertem

As comédias de terror dominam a Varanda! Entre risos e sustos, e filmes que quase sempre apostam na despretensão, os varandeiros Chico FiremanCris LumiMichel SImões e Tiago Faria fazem o Top 5 (43:21) do subgênero entre os longas lançados nos anos 2000.

Em debate, dois filmes que chegaram aos cinemas ou streaming recentemente e que se encaixam bem nesse universo: A Babá (18:06), do diretor McG, e A Morte Te Dá Parábens(32:12), de Christopher Landon.

No Boletim do Oscar (7:19), a lista comentada dos indicados ao Independent Spirit Awards. E mais: Cantinho do Ouvinte, Recomendações (1:03:24) com séries, mostras e dois filmes nacionais prestes a chegar aos cinemas, e, no Varandeiro do Zodíaco, o cinema dos sagitarianos. Bom podcast!

________________________________________________________________________________

Sempre bom lembrar que o jeito mais fácil de acompanhar as atualizações é nos seguir nas Redes Sociais, ou assinar no Itunes ou Feed.

Thelma

Thelma (2017 – NOR) 

Bastante promissor em sua metade inicial, a nova empreitada do cineasta norueguês Joachim Trier. A universitária de pais católico e ultraprotetores, descobrindo liberdades e uma sociedade cujs tentações provocam sua criação ortodoxa e claustrofóbica. O clima de sobrenatural ajuda nessa construção opressora, enquanto os desejos sexuais reprimidos começam a pular da tela como alucinações.

Na segunda parte, o roteiro explica melhor sobre os poderes de Thelma, os perigos que ela causa à sociedade e a forma com que seus pais sempre lidaram com ela. É nesse momento que o filme escapa das mãos de Trier, perde-se a angustia aflitiva da jovem pela necessidade de flashbacks e segredos trancados que elucidam a Thelma sobre quem ela é, mas deixam a narrativa cinematográfica bem menos insinuante do que antes.


Joachim Trier na Toca: Oslo, 31 de Agosto (2011), Mais Forte que Bombas (2015)