Últimos Homens em Aleppo

Last Men in Aleppo (2017 – DIN) 

Cinema-verdade daqueles com câmera na mão, no meio das explosões e ataques áereos na Síria. O documentário vencedor do Grande Prêmio do Juri em Sundance dialoga muito com o curta que ganhou o oscar (Os Capacetes Brancos). Os diretores Feras Fayyad e Steen Johannessen tratam do mesmo grupo de homens que trabalha nos escombros, tirando adultos e crianças soterrados após os ataques.

Portanto, é de uma tristeza sem fim. Serve sempre para relembrar que os noticiários de todo dia não podem passar indiferentes a nós, acostumados a ler uma noticia ou outra entre a manchete do futebol e do que está rolando no BBB. A tragédia é irreparável, a Europa sente na pele com os imigrantes, mas quem está morrendo aos montes são os sírios, e seguir um pouco alguns dos Capacetes Brancos nos fazem enxergar o absurdo que ocorre diariamente.

Anúncios

A Vilã

Ak-Nyeo / The Villainess (2017 – COR) 

Foi exibido fora de competição na última edição de Cannes. A abertura se dá com um plano-sequencia alucinante, a câmera se colocando como os olhos de um personagem desconhecido que entra por corredores entre golpes e tiros, destruindo uma quadrilha até finalizar a ação numa escola de artes marciais. Quase no final dessa grande sequencia descobre-se que trata-se de uma mulher e a câmera se separa quando sua cabeça bate num espelho.

Haverá outras grandes cenas de ação, o diretor Jung Byung-Gil dá um folego novo entre seus travellings e cortes bruscos. Só que entre elas, o roteiro peca pelo excesso de explicações dos dramas pessoais da assassina profissional Sook-Hee (Kim Ok-Vin), sua infância, o relacionamento com o “vizinho” e o antigo amante que volta a tona. The Villainess fica bom quando a porrada corre solto, mas é uma tradição do cinema coreano de dramatizar seu cinema de ação, dialogando assim com outros públicos que possam enxergar pontos de interesse onde só haveria sangue e artes marciais.

Guia 2017: Festival do Rio

Começa hoje mais uma edição do Festival do Rio, e no meio daquela quantidade imensa de títulos (esperados e desconhecidos), a Toca apresenta aqui uma lista com os filmes que fizeram parte dos grandes festivais internacionais, e os que foram premiados. É um pequeno auxilio, afinal, grandes filmes (muitos deles brasileiros) não estiveram nesses festivais e não devem ser desprezados (como Animal Cordial, Açúcar e A Aliança e tantos outros). Mas, não deixa de ser uma ajuda. Os filme em vermelho são aqueles mais aguardados pela Toca, outra forma de tentar ajudar com dicas. Bom Festival a todos!

Filme Título Original País Diretor Festival Seleção Ano Prêmio
Me Chame pelo Seu Nome Call Me by Your Name ITA Luca Guadagnino Sundance Premières 2017
Top of the Lake: China Girl Top of the Lake: China Girl RU Jane Campion Cannes 70th Anniversary Events 2017
Zama Zama ARG Lucrecia Martel Veneza out of competittion 2017
120 Batimentos por Minuto 120 Battements Par Minute FRA Robin CAMPILLO Cannes Competition 2017
Bom Comportamento Good Time EUA Benny SAFDIE & Josh SAFDIE Cannes Competition 2017
Jeannette: A Infância de Joana D’arc Jeannette, L’enfance de Jeanne d’Arc FRA Bruno Dumont Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
The Florida Project The Florida Project EUA Sean Baker Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
As Boas Maneiras As Boas Maneiras BRA Juliana Rojas, Marco Dutra Locarno Competition 2017 premio do juri
A Forma da Água The Shape of Water EUA Guillermo del Toro Veneza Competition 2017 Filme
Hannah Hannah ITA Andrea Pallaoro Veneza Competition 2017 atriz
Senhora Fang Mrs. Fang CHI Wang Bing Locarno Competition 2017 filme
Corpo e Alma Testrol e lelekrol “On Body and Soul” HUN Ildiko Enyedi Berlim Competition 2017 filme
Verão Danado Verão Danado POR Pedro Cabeleira Locarno Cineasti del Presente 2017
Últimos Homens em Aleppo Last Men in Aleppo DIN Feras Fayyad, Steen Johannessen Sundance World Documentary 2017 filme
Rastros Pokot POL Agnieszka Holland Berlim Competition 2017 Alfred Bauer
The Villainess Ak-Nyeo “The Villainess” COR JUNG Byung-Gil Cannes midnight screenings 2017
Doentes de Amor The Big Sick EUA Michael Showalter Sundance Premières 2017
Mulher Molhada ao vento Kaze ni nureta onna “Wet Woman in the Wind” JAP Shiota Akihiko Locarno Competition 2016
Verão 1993 Estiu 1993 “Summer 1993” ESP Carla Simón Berlim Generation KPlus 2017 primeiro filme
Gabriel e a Montanha Gabriel e a Montanha “Gabriel and the Mountain” BRA Fellipe Barbosa Cannes Critics Week 2017
Uma Criatura gentil Krotkaya “A Gentle Creature” RUS Sergei LOZNITSA Cannes Competition 2017
They They EUA Anahita GHAZVINIZADEH Cannes special screenings 2017
Pequena Grande Vida Downsizing EUA Alexander Payne Veneza Competition 2017
Ex Libris: Biblioteca Pública de Nova York Ex Libris – The Nerw Public Library EUA Frederick Wiseman Veneza Competition 2017
Invisível Invisible ARG Pablo Giorgelli Veneza Orizzonti 2017
Menashe Menashe EUA Joshua Z Weinstein Sundance Next <=> 2017
Manifesto Manifesto ALE Julian Rosefeldt Sundance Premières 2017
Direções Posoki “Directions” BUL Stephan KOMANDAREV Cannes Un Certain Regard 2017
A Natureza do tempo En Attendant Les Hirondelles “Until The Birds Return” FRA Karim MOUSSAOUI Cannes Un Certain Regard 2017
Brawl in Cell Block 99 Brawl in Cell Block 99 EUA S. Craig Zahler Veneza out of competittion 2017
Sua Pele Tão Macia Ta Peau Si Lisse CAN Denis Côté Locarno Competition 2017
Milla Milla FRA/POR Valerie Massadian Locarno Cineasti del Presente 2017 especial do juri
Artista do desastre The Disaster Artist EUA James Franco San Sebastian Competition 2017 filme
Alanis Alanis ARG Anahí Berneri San Sebastian Competition 2017 atriz, direção
A Fábrica de Nada A Fábrica de Nada POR Pedro Pinho Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
Borg vs McEnroe Borg vs McEnroe SUE Janus Metz Toronto 2017
Jane Jane EUA Brett Morgen Toronto 2017
Long Strang Trip: A Viagem do Greatful Dead Long Strange Trip EUA Amir Bar-Lev Sundance 2017
Marjorie Prime Marjorie Prime EUA MICHAEL ALMEREYDA Rotterdã 2017
O Venerável W. Le Vénérable W. FRA Barbet Schroeder Cannes 2017
Prevenge Prevenge RU Alice Lowe Veneza 2016
Thelma Thelma NOR Joachim Trier Toronto 2017
Thirst Street Thirst Street FRA/EUA Nathan Silver Tribeca 2017
Conversa Fiada Ri Chang Dui Hua “Small Talk” TAW Hui-chen Huang Berlim Panorama 2017
Adeus Entusiasmo Adiós Entusiasmo “So Long Enthusiasm” COL Vladimir Duran Berlim Forum 2017
Em Pedaços Aus Dem Nichts “In The Fade” ALE Fatih Akin Cannes Competition 2017
A Ciambra A Ciambra ITA Jonas Carpignano Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
Golden Exists Golden Exits EUA Alex Ross Perry Sundance US Dramatic 2017
Ao Vivo na França Alive in France EUA Abel Ferrara Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
Eu Não Sou uma Feiticeira I Am Not a Witch ZAM Rungano Nyoni Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
Uma Casa à Beira Mar La Villa “The House bye the Sea” FRA Robert Guédiguian Veneza Competition 2017
Anjos Vestem Branco Angels Wear White CHI Vivian Qu Veneza Competition 2017
 The Leisure Seeker The Leisure Seeker ITA Paolo Virzi Veneza Competition 2017
A Festa The Party RU Sally Potter Berlim Competition 2017
God’s Own Country God’s Own Country RU Francis Lee Berlim Panorama 2017
Um Segredo em Paris Drôles d’oiseaux FRA Elise Girard Berlim Forum 2017
Ocidental Occidental FRA Neïl Beloufa Berlim Forum 2017
Lobisomem Werewolf CAN Ashley McKenzie Berlim Forum 2017
O Céu de Toquio à noite é Sempre do Mais Denso Tom de Azul Yozora ha itsu demo saikou mitsudo no aoiro da JAP Yuya Ishii Berlim Forum 2017
Depois da Guerra Dopo la Guerra “After the War” ITA Annarita ZAMBRANO Cannes Un Certain Regard 2017
How to talk to Girls at Parties How to talk to Girls at Parties EUA John Cameron Mitchell Cannes out of competittion 2017
12 Dias 12 Jours “12 Days” FRA Raymond DEPARDON Cannes special screenings 2017
Piazza Vittorio Piazza Vittorio ITA Abel Ferrara Veneza out of competittion Doc 2017
O Diabo e o Padre Amorth The Devil and Father Amorth EUA William Friedkin Veneza out of competittion Doc 2017
Lola Pater Lola Pater FRA Nadir Moknèche Locarno Piazza Grande 2017
A Guerra dos Sexos Battle of the Sexes EUA Jonathan Dayton, Valerie Faris Toronto 2017
Anos Dourados Nos Années Folles “The Golden Ages” FRA André Téchiné Cannes special screenings 2017
Atrás Há relampagos Atrás Hay relámpagos CRC JULIO HERNÁNDEZ CORDÓN Rotterdã 2017
Contos da Birmânia Burma Storybook HOL Petr Lom Rotterdã 2017
Grace Jones: Bloodfight and Bami Grace Jones: Bloodfight and Bami IRL SOPHIE FIENNES Toronto 2017
Hema hema: cante para mim enquanto espero hema Hema: padainouk man, kol laukiu BUT KHYENTSE NORBU Locarno 2016
Luz no Fim do Tunel Light Thereafter BUL KONSTANTIN BOJANOV Rotterdã 2017
O Futuro Adiante El Futuro que viene ARG CONSTANZA NOVICK Toronto 2017
Política, Manual de Instruções Politica, manual de instrucciones ESP Fernando León de Aranoa Berlim Panorama Doc 2017
Investigando o Paraiso Tahqiq fel djenna FRA/ARG Merzak Allouache Berlim Panorama Doc 2017
Meu Colégio Inteiro Afundado no Mar My Entire High School Sinking into the Sea EUA Dash Shaw Berlim Generation 14Plus 2017
Mamãe Colonel Maman Colonelle CGO Dieudo Hamadi Berlim Forum 2017
A Câmera de Claire Keul-Le-Eo-Ui Ka-Me-La “Claire’s Camera” COR Hong Sang-soo Cannes special screenings 2017
Crown Heights Crown Heights EUA Matt Ruskin Sundance US Dramatic 2017
Dina Dina EUA Dan Sickles, Antonio Santini Sundance US Documentary 2017 filme
Terra-Mãe Motherland EUA/FIL Ramona Diaz Sundance World Documentary 2017
Frost Frost UCR Sharunas Bartas Cannes Quinzena dos Realizadores 2017
Victoria e Abdul: O Confidente da Rainha Victoria & Abdul Ru Stephen Frears Veneza out of competittion 2017
Terra Selvagem Wind River EUA Taylor Sheridan Sundance Premières 2017
Maudie Maudie IRL/CAN Aisling Walsh Berlim Berlinale Special 2017
Discreet Discreet EUA Travis Mathews Berlim Panorama 2017
A Liberdade do Diabo La libertad del diablo MEX Everardo Gonzalez Berlim Berlinale Special 2017
Insiriados Insyriated BEL/FRA Philippe Van Leeuw Berlim Panorama 2017
Brigsby Bear Brigsby Bear EUA Dave McCary Cannes Critics Week 2017
Cadáveres Bronzeados Laissez Bronzer Les Cadavres “Let the Corpses Tan” FRA Hélène Cattet, Bruno Forzani Locarno Piazza Grande 2017
Based on a True Story D’après une Histoire Vraie FRA Roman Polanski Cannes special screenings 2017
Matar Jesus Matar a Jesús “Killing Jesus” COL Laura Mora Toronto 2017
Muitos Filhos, Um Macaco e um Castelo Muchos Hijos, Um Mono y um castillo “Lots Of Kids, A Monkey And A Castle” ESP GUSTAVO SALMERÓN Karlovy Vary 2017
O Estado das Coisas Brad’s Status EUA Mike White Toronto 2017
Seguindo o vento Prende le Large “Catch the Wind” FRA GAËL MOREL Toronto 2017
Sexy Durga Sexy Durga IND SANAL KUMAR SASIDHARAN Rotterdã 2017
Tom of Finland Tom of Finland FIN DOME KARUKOSKI Tribeca 2017
Tangerine Dream: A Revolução do Som Revolution of Sound. Tangerine Dream ALE Margarete Kreuzer Berlim Panorama Doc 2017
Casa Roshell Casa Roshell MEX/CHL Camila Jose Donoso Berlim Forum 2017
Livrai-nos Liberami ITA Federica Di Giacomo Veneza Orizzonti 2016 Filme
O Formidável Le Redoutable FRA Michel HAZANAVICIUS Cannes Competition 2017
Novitiate Novitiate EUA Maggie Betts Sundance US Dramatic 2017 melhor diretor revelação
Severina Severina BRA Felipe Hirsch Locarno Cineasti del Presente 2017
Beuys Beuys ALE Andres Veiel Berlim Competition 2017
As Misândricas The Misandrists ALE Bruce LaBruce Berlim Panorama 2017
La Vita in Comune La Vita in Comune ITA Edoardo Winspeare Veneza Orizzonti 2017
Encriptado Black Code CAN NICK DE PENCIER Toronto 2016
No Deserto Al Desierto ARG ULISES ROSELL San Sebastian 2017
The Brawler Mukkabaaz IND ANURAG KASHYAP Toronto 2017
Tulipani: amor, honra e uma bicicleta Tullipani: Lifde, Eer en Een Fiets “Tulipani: Love, Honor and a Bicyle” HOL MIKE VAN DIEM Toronto 2017
Barbara Barbara FRA Mathieu Amalric Cannes Un Certain Regard 2017
Uma Família Una Famiglia ITA Sebastiano Riso Veneza Competition 2017
Réquiem para Sra. J Rekvijem za gospodju J. SER/BUL Bojan Vuletic Berlim Panorama 2017
Centauro Centaur QUI Aktan Arym Kubat Berlim Panorama 2017

Western

Western (2017 – ALE) 

Um grupo de operários alemães trabalhando num pequeno vilarejo da Bulgária. Destaque na mostra Un Certain Regard, o filme dirigido por Valeska Grisebach é um curioso retrato da masculinidade em sua disputa por espaço no grupo. Em tempos de questões femininas em voga, a cineasta alemã compõe esse vigoroso estudo comportamental na questão dos relacionamentos sociais em grupos predominante masculinos.

Longe de seu habitat natural (casas e famílias), o convívio e as diferenças se sobrepõe às convenções sociais, a questão da liderança, os comportamentos infantis para agradar o restante do grupo, a virilidade, tornam-se questões centrais. Utilizando apenas não-atores, Grisebach lida com a aspereza (paisagem, corpos, rostos e feições), e encontra no confronto entre o ex-legendário Meinhard (Meinhard Neumann), que se aproxima muito da comunidade búlgara, e seu chefe, o alicerce para desenvolver seu traço autoral (que esteticamente lembra o cinema de Alain Giraudie), e também espelhar a rivalidade na própria estranheza com que locais e estrangeiros convivem. Dessa forma, Grisebach repete no macro e no micro relacionamento, as mesmas questões conturbadas, as mesmas dificuldades de relacionamento, os mesmos anseios por liderança, poder, e sexo.

Jovem Mulher

Jeune Femme (2017 – FRA) 

É preciso sobreviver a primeira cena em que a protagonista, Paula (Laetitia Dosch) faz um depoimento à câmera, histericamente. É bem verdade que essa cena, com plano fechado em seu rosto e sem cortes, diz muito sobre a jovem mulher que o filme, vencedor do Camera D’or, em Cannes, irá acompanhar. O trunfo da diretora Léonor Serraille é justamente dar cabo de toda essa irresponsabilidade e fragilidade da impulsiva que acaba de ser “expulsa” do apartamento do namorado.

A mãe que a renega, não lhe resta outra opção a não ser arrumar um emprego. Num primeiro momento pode parecer que a trama cairá para uma espécie de superação, mas não é o caso. É sim um estudo do amadurecimento, de uma personagem que tenta representar toda uma geração que cobra o imediatismo, a facilidade, ancorados pelo conforto dos pais de classe média. Redenção ou sofrimento, fazem parte do jogo, assim como lidar com novas alianças ou a quebra da confiança. Entre vitórias e derrotas, o importante é o saldo no final do dia, em alguns Paula vence, em outros não, mas segue evoluindo como uma jovem mulher que se insere na sociedade.

Colo

Colo (2017 – POR) 

A cineasta Teresa Villaverde conjectura a crise econômica europeia sob os reflexos de uma família de classe média portuguesa, a via-crucis sem melodrama. É um filme angustiante pela naturalidade com que a situação financeira os assola lentamente, um passo a passo que os mergulha ainda mais na desestabilização emocional. O marido desempregado, a esposa quase em dupla jornada diária, e as contas não pagas só se acumulam. A filha adolescente parece indiferente, mais preocupada com seus pequenos dramas da sexualidade, da busca por liberdade, da amiga de gravidez precoce.

Longos silêncios, planos abertos (muitas vezes de outro prédio da vizinhança) que captam a desesperança ou a incomunicabilidade. O filme prefere a noite, mas também se aproveita do escuro no apartamento com a luz cortada, a alimentação racionada. Repito que a diretora evita o melodrama, ainda que reverbere com cenas fortes, de impacto duro e até comoventes. E quanto mais agravada a situação familiar, maior o descontrole emocional. O fim da estabilidade e da rotina, quebrados pela incerteza, ou pela certeza de que amanha será pior, e pior, e pior…

3/4

¾ (2017 – BUL) 

O búlgaro Ilian Metev volta a se destacar no cenário dos festivais internacionais, após seu filme meio documental A Ultima Ambulancia de Sofia. Dessa vez, como o grande vencedor da mostra Cineasta do Presente, no Festival de Locarno. Planos longos, acompanhando os irmãos caminhando, na volta da escola, ou passeando pelo parque com o avô. É uma pegada completamente diferente do seu tedioso filme-denuncia da saúde pública búlgara.

Um retrato das relações familiares, singelo e falsamente despretensioso. A dificuldade de se relacionar, seja na irmã que quer ser pianista, e sofre a pressão da audição que se aproxima, mas o irmão (mais jovem) só quer provoca-la. Seja no pai professor, mas que age ainda refutando a vida adulta e suas responsabilidades. Familias são assim, esse misto de sentimentos, relacionamentos confusos e afetuosos, e nesse emaranhado de emoções, Metev realiza um filme puro, saboroso, e tão verossímil quanto delicado. Não inova, não inventa, apenas dá liberdades a seus personagens se desenvolverem, frente às câmeras.