Arquivo da categoria ‘Mostra SP’

Malmkrog

Publicado: outubro 23, 2020 em Cinema, Mostra SP
Tags:,

Malmkrog / Manor House (2020 – ROM)

A partir de um livro do russo Vladimir Solovyov, Cristi Puiu nos leva ao mundo da aristocracia, em pleno século XIX, no Leste Europeu. Serão mais de 3 horas de um filme cerebral, calcado em diálogos e mais diálogos enquanto Puiu é milimétrico em um cinema austero de longas sequencias sem cortes, ou planos-contraplanos na mesa de jantar. Em outro momento, planos bem aberto, com câmera fixa, posicionada em uma antessala, ao lado de onde os personagens conversam. Não é um filme muito acessível em sua teatralidade e densas conversas carregadas de arrogância. O grupo que reúne condessa, general, político e outros membros da aristocracia conversam em francês (era assim que a burguesia russa achava chique) e debatem sobre fé e anticristo, sobre amor e morte, destacam aspectos morais e principalmente a guerra. Sim, um deles defende guerras justas, uma jovem considera não aceitável matar alguém. Nações civilizadas x os selvagens, cada frase impõe clareza aos pensamentos de privilégios e desprezo aos que não fazem parte desse mundo.

Malmkrog faz referência em como os alemães chamam aquela aldeia na Transilvania onde a mansão fica localizada. A neve, o frio, contraponto para essa frieza com que Puiu revive personagens dessa estirpe, seu trabalho é rigoroso e cuidadoso, porém bastante cansativo, e sua maneira de demonstrar a decadência é nos fazer mergulhar naquele ambiente. O filme todo é o exercício observacional de nos fazer olhar com desprezo para essa burguesia cujo declínio era iminente.

Mosquito

Publicado: outubro 22, 2020 em Cinema, Mostra SP
Tags:

Mosquito (POR – 2020)

A cena inicial já deixa bem claras as intenções do filme, os soldados portugueses chegam num barco, a Moçambique, e para não se molharem são levados de “cavalinho” por negros. Vivemos a 1ª GM, os soldados chegam para combater os alemães, viverem o horror da guerra, mas não podem molhar os pés.

Através da história do jovem português se alistou esperando lutar na França e foi parar na África, e acaba se perdendo de seu pelotão, seguimos essa via-crucis onde o combate de guerra, que, vejam só, é até um drama menor comparado ao colonialismo. Por essa trajetória de sobrevivência de Zacarias nos deparamos com a dicotomia de enfrentamento portugueses x alemães, portugueses x moçambiquenhos, e toda a crueldade que o poder lhe permite exercer, enquanto João Nuno Pinto oferece cenas lindas, diurnas ou noturnas, bebedeiras, sexo, confrontos. Há também espectros de cinema sensorial, porém o mais rico é a dualidade do personagem que vai de monstro a herói em poucos segundos, inúmeras vezes, e como fica rica essa visão crítica do colonizador que acha sempre ter sido “bom” para aquele povo.

Guia – 44ª Mostra SP

Publicado: outubro 21, 2020 em Cinema, Mostra SP
Tags:

Que a Mostra SP começa dia 22/10 e será 100% online (ou em Drive-ins) vocês já sabem, importante que cad cinéfilo faça sua programação com base nos limites para compras de ingressos, quantidade de views e etc. A dica é não deixam de fazer sua programação e medir quantos filmes por dia conseguem ver. Tem o vencedor do Urso de Ouro, do Grande Premio de Veneza, ou Casa de Antiguidades, o filme brasileiro com selo Cannes e cotado ao oscar de filme estrangeiro.

Mas, vamos aos filmes. No final desse post a tabela anual com os filmes da Mostra que foram exibidos nos principais festivais do mundo (entre os que ocorreram). A lista ajuda, mas claro que aproveitamos para destacar as principais dicas entre os já vistos e mais aguardados.

Visto e Recomendado

Siberia (imperdível)SiberiaAbel Ferrara
17 Quadras17 BlocksDavy Rothbart
DaysRiziTsai Ming-Liang
Gato na ParedeKotka v Stenata# Mina Mileva, Vesela Kazakova
Mamãe, Mamãe, MamãeMamá, Mamá, MamáSol Berruezo Pichon-Rivière
Welcome to ChechnyaWelcome to ChechnyaDavid France
Apenas MortaisBeing MortalLiu Ze

Mais Aguardados

Não Há Mal AlgumSheytan vojud nadaradMohammad Rasoulof
Nova OrdemNuevo Orden Michel Franco
NotturnoNotturnoGianfranco Rosi
CoronationCoronationAi Weiwei
StardustStardustGabriel Range
Gênero, PanLahi, HayopLav Diaz
MalmkrogMalmkrogCristi Puiu
PrefeituraCity HallFrederick Wiseman
MosquitoMosquitoJoão Nuno Pinto

Boas Aspostas

Farewell AmorFarewell AmorEkwa Msangi
Piedra SolaPiedra SolaAlejandro Telémaco Tarraf
Minha IrmãSchwesterlein# Stéphanie Chuat, Véronique Reymond
A HerdadeA HerdadeTiago Guedes
ShirleyShirleyJosephine Decker
Crianças do SolKhorshidMajid Majidi
Lua VermelhaLúa VermellaLois Patiño
Sportin’ LifeSportin’ LifeAbel Ferrara
Paisagem na NeblinaKrajina ve stínuBohdan Sláma
SummertimeSummertimeCarlos López Estrada
PaiOtacSrdan Golubović
ExílioExilVisar Morina
Chico Ventana Queria Ter um Submarino Chico Ventana También Quisiera Tener Un SubmarinoAlex Piperno
Dezesseis PrimaverasSeize printempsSuzanne Lindon
Isso Não É um Enterro, É uma Ressurreição Lemohang Jeremiah Mosese
WaldenWaldenBojena Horackova  
Jantar na AméricaDinner in AmericaAdam Rehmeier
Mães de AluguelThe SurrogateJeremy Hersh
Nadando Até o Mar Ficar AzulYi zhi you dao hai shui bian lanJia Zhang-ke
DAU. NatashaDAU. NatashaIlya Khrzhanovskiy/Jekaterina Oertel
Um Crime em ComumUn Crimen ComúnFrancisco Márquez
Fábulas RuinsFavolacce# Damiano e Fabio D’Innocenzo

Filmes dos Principais Festivais Internacionais

FilmeTítulo OriginalDiretorPaísFestivalSeçãoAnoPremiação
SuorSweatMagnus von HornPolôniaToronto2020
SiberiaSiberiaAbel FerraraItáliaBerlimCompetition2020
DaysRiziTsai Ming-LiangTaiwanBerlimCompetition2020
Todos os MortosTodos os mortos# Marco Dutra/Caetano GotardoBrasilBerlimCompetition2020
O CharlatãoCharlatanAgnieszka HollandTchéquiaBerlimBerlinale Special2020
As Veias do MundoDie Adern der WeltByambasuren DavaaAlemanhaBerlimGeneration Kplus2020
Mamãe, Mamãe, MamãeMamá, Mamá, MamáSol Berruezo Pichon-RivièreArgentinaBerlimGeneration Kplus2020
Welcome to ChechnyaWelcome to ChechnyaDavid FranceEUABerlimPanorama2020
Berlin AlexanderplatzBerlin AlexanderplatzBurhan QurbaniAlemanhaBerlimCompetition2020
Assim Como Acima, AbaixoKama fissamaa’ kathalika ala al-ardSarah FrancisLíbanoBerlimForum2020
Entre Cão e LoboEntre Perro Y LoboIrene GutiérrezCubaBerlimForum2020
A Deusa dos VagalumesLa Déesse des MouchesAnaïs Barbeau-LavaletteCanadáBerlimGeneration 14plus – Best Film2020
A Pastora e as Sete CançõesLaila Aur Satt GeetPushpendra SinghÍndiaBerlimEncounters2020
A Saída dos TrensIeşirea Trenurilor Din Gară# Radu Jude, Adrian CioflâncăRomêniaBerlimForum2020
Animais NusNackte TiereMelanie WaeldeAlemanhaBerlimEncounters2020
DesenterrarDiggerGeorgis GrigorakisGréciaBerlimPanorama2020
CasuloKokonLeonie KrippendorffAlemanhaBerlimGeneration 14Plus2020
Cidade PássaroCidade PássaroMatias MarianiBrasilBerlimPanorama2020
DAU. DegeneraçãoDAU. DegeneratsiaIlya Khrzhanovskiy/Ilya PermyakovAlemanhaBerlimBerninale Special2020
IrmãsIrmãs# Luciana Mazeto, Vinícius LopesBrasilBerlimGeneration 14plus2020
Mate-o e Deixe Esta CidadeMistrz i MalgorzataMariusz WilczynskiPolôniaBerlimEncounters2020
Lua VermelhaLúa VermellaLois PatiñoEspanhaBerlimForum2020
PaiOtacSrdan GolubovićSérviaBerlimPanorama2020
Chico Ventana Queria Ter um Submarino Chico Ventana También Quisiera Tener Un SubmarinoAlex PipernoUruguaiBerlimForum2020
Nadando Até o Mar Ficar AzulYi zhi you dao hai shui bian lanJia Zhang-keChinaBerlimBerlinale Special2020
DAU. NatashaDAU. NatashaIlya Khrzhanovskiy/Jekaterina OertelAlemanhaBerlimCompetition2020Contrib Artist
Um Crime em ComumUn Crimen ComúnFrancisco MárquezArgentinaBerlimPanorama2020
Não Há Mal AlgumSheytan vojud nadaradMohammad RasoulofIrãBerlimCompetition2020Urso
Irmãs SeparadasIm FeuerDaphne CharizaniAlemanhaBerlimPerspektive Deutsches Kino2020
Fábulas RuinsFavolacce# Damiano e Fabio D’InnocenzoItáliaBerlimCompetition2020Roteiro
MalmkrogMalmkrogCristi PuiuRomêniaBerlimEncounters2020
Este é Meu DesejoEyimofe# Arie Esiri, Chuko EsiriNigériaBerlimForum2020
Eeb Allay Ooo!Eeb Allay Ooo!Prateek VatsÍndiaBerlimPanorama2020
O Problema de NascerDie Last geboren zu seinSandra WollnerÁustriaBerlimEncounters2020
Impedimento em CartumKhartoum OffsideMarwa Zein SudãoBerlimForum2019
Minha IrmãSchwesterlein# Stéphanie Chuat, Véronique ReymondAlemanhaBerlimCompetition2020
Nossa Senhora do NiloNotre-Dame du NilAtiq RahimiFrançaBerlimGeneration 14plus2020
NúmerosNomeryOleg Sentsov, Akhtem Seitablaev UcrâniaBerlimBerlinale Special2020
Gato na ParedeKotka v Stenata# Mina Mileva, Vesela KazakovaBulgáriaLocarnoCompetition2019
Prazer, Camaradas!Prazer, Camaradas!José Filipe CostaPortugalLocarnoout-of-competition2020
WaldenWaldenBojena Horackova  FrançaLocarnoSecret Screenings2020
CalazarKala AzarJanis RafaHolandaRotterdãTiger Awards Competition2020
Cozinhar F*der MatarZáby bez jazykaMira FornayTchéquiaRotterdãVoices2020
Quando AnoiteceThe Evening Hour Braden KingEUARotterdãTiger Awards Competition2020
O Nariz ou A Conspiração dos DissidentesNos Ili Zagovor NetakikhAndrey KhrzhanovskyRússiaRotterdãPerspectives2020
O Despertar de Fanny Lye Fanny Lye Deliver’dThomas ClayReino UnidoRotterdãBig Screen2020
MosquitoMosquitoJoão Nuno PintoPortugalRotterdãBig Screen Competition2020
PanquiacoPanquiacoAna Elena TejeraPanamáRotterdãBright Future2020
Problemas com a NaturezaThe Trouble With NatureIllum JacobiDinamarcaRotterdãBright Future2020
Piedra SolaPiedra SolaAlejandro Telémaco TarrafArgentinaRotterdãTiger Awards Competition2020
Mães de VerdadeAsa ga KuruNaomi KawaseJapãoSan SebastianCompetition2020
Ao EntardecerAu Crépuscule (Dusk)Sharunas BartasLituâniaSan SebastianCompetition2020
Dezesseis PrimaverasSeize printempsSuzanne LindonFrançaSan Sebastiannew directors2020
EspacateШпагатChristian Johannes Koch SuiçaSan Sebastiannew directors2020
Feels Good ManFeels Good ManArthur JonesEUASundanceUS Documentary2020juri
A Terra É Azul Como Uma LaranjaThe Earth Is Blue As An OrangeIryna TsilykUcrâniaSundanceWorld Documentary2020diretor
VivosVivosAi WeiweiInternacionalSundanceDocumentary Premières2020
Verão BrancoBlanco de VeranoRodrigo Ruiz PattersonMéxicoSundanceWorld Cinema Dramatic2020
Farewell AmorFarewell AmorEkwa MsangiEUASundanceUS Dramatic2020
ShirleyShirleyJosephine DeckerEUASundanceUS Dramatic2020especial do juri
SummertimeSummertimeCarlos López EstradaEUASundanceNext <=>2020
Isso Não É um Enterro, É uma Ressurreição Lemohang Jeremiah MoseseLesotoSundanceWorld Cinema Dramatic2020
Welcome To ChechnyaWelcome To ChechnyaDavid FranceEUASundanceUS Documentary2020
Jantar na AméricaDinner in AmericaAdam RehmeierEUASundanceUS Dramatic2020
LuxorLuxorZeina Durra Reino UnidoSundanceWorld Cinema Dramatic2020
Mães de AluguelThe SurrogateJeremy HershEUASXSW2020
Casa de AntiguidadesCasa de AntiguidadesJoão Paulo Miranda MariaBrasilToronto2020
AranhaArañaAndrés WoodChileToronto2019
BeansBeansTracey DeerCanadáToronto2020
Estava Chovendo PássarosIl Pleuvait des Oiseaux Louise Archambault CanadáToronto2019
MurmúrioMurmurHeather YoungCanadáToronto2019
17 Quadras17 BlocksDavy RothbartEUATribeca2019
499499Rodrigo ReyesEUATribecaDocumentary2020
17 Quadras17 BlocksDavy RothbartEUATribecaDocumentary2019
LoreleiLoreleiSabrina DoyleEUATribeca2020
Meu Coração Só Irá Bater se Você PedirMy Heart Can’t Beat Unless You Tell It To Jonathan CuartasEUATribeca2020
A HerdadeA HerdadeTiago GuedesPortugalVenezaCompetition2019
Miss MarxMiss MarxSusanna Nicchiarelli ItáliaVenezaCompetition2020
Zanka ContactZanka ContactIsmaël El IrakiFrançaVenezaOrizzonti2020
Crianças do SolKhorshidMajid MajidiIrãVenezaCompetition2020
Sportin’ LifeSportin’ LifeAbel FerraraItáliaVenezaout-of-competition2020
Nova OrdemNuevo Orden Michel FrancoMéxicoVenezaCompetition2020juri
NotturnoNotturnoGianfranco RosiItáliaVenezaCompetition2020
Entre MortesSepelenmis Ölümler ArasindaHilal BaydarovAzerbaijãoVenezaCompetition2020
Gênero, PanLahi, HayopLav DiazFilipinasVenezaOrizzonti2020diretor
PrefeituraCity HallFrederick WisemanEUAVenezaout-of-competition2020
Miss MarxMiss MarxSusanna Nicchiarelli ItáliaVenezaCompetition2020

Suor

Publicado: outubro 17, 2020 em Cinema, Mostra SP
Tags:

Sweat (POL/SUE, 2020)

O começo é cheio de brilho, alto-astral, glamour, tal como parecem as vidas de todas as celebridades. A camera é quase claustrofica, quase sempre focada no rosto da influencer de ginastica. Como se fossemos mais um de seus seguidores avidos por nao só acompanhar seus videos, mas estar coladinhos em sua vida.

Todo esse glamour se desfaz quanto mais tempo passamos em sua vida privada. A melancolia da solidão, a inveja de até a mae ter um namorado, o vazio que a vida de influencer tem por trás de seus vídeos. Tudo isso é bem positivo no filme de Magnus von Horn, mas ele quer ir até mais fundo, deixar seu filme mais dark, um stalker, alguém para preencher seu vazio, entrevistas agressivas que oferecem palco para os discursos que o filme tanto queria pregar. O pesar demais nas tintas depoe um pouco contra ao interessante retrato dessa vida de beleza e glamour que atrai pessoas ou sentimentos vazios.

La Mala Noche

Publicado: fevereiro 19, 2020 em Cinema, Mostra SP
Tags:

La Mala Noche / The Longest Night (2019 – EQU)

O escolhido pelo Equador para a corrida do Oscar de Filme Estrangeiro resgata o tema do tráfico de pessoas e prostituição. A pauta sempre será urgente, uma das muitas formas de escravidão da sociedade moderna, mas o filme de Gabriela Calvache não escapa dos clichês com filho doente, e uma fase final thriller dos mais banais que apenas generalizam e suavizam a força da denúncia que a primeira parte poderia pregar.

The Lighthouse (2019 – EUA/BRA)

Da turma dos grandes filmes do ano, o novo trabalho de Robert Eggers flerta com o cinema de Bergman, mas prefere o humor e o horror do que o estudo psicológico de um Persona, por exemplo. Talvez porque aqui estejamos diante do tese de convivência de dois homens, e sua virilidade e fragilidades estão expostas de maneiras bem diferentes do que a manipulação sugeria no clássico do cineasta sueco.

Um farol no meio do nado, os dois homens (Dafoe e Pattinson) chegam para trabalhar por uma temporada ali, completamente isolados de qualquer sinal de sinalização. Os dias passam entre confrontos, bebedeiras, imposição de poder, e os seus maiores medos deflagrados. Eggers opta por sugerir tudo, de alguma tensão sexual à fantasia com uma sereia, até os segredos e barulhos da sala trancada em que só homem mais velho pode entrar, assim como os segredos que levaram o mais jovem a aceitar aquele emprego.

Memórias, histórias, respeito e desaforo. O Farol é sobre essa relação masculina, é sobre os altos e baixos, sobre angústia e caos. Interessante como o filme não ganha tom teatral, Eggers opta pela fotografia em preto e branco, por enquadramentos que explorem corpos, relações e espaços, e além de dar sua dose de fantasia, realizando assim um filme que foge muito dos padrões mais comerciais, que grita por uma tela grande e som potente, e pela possibilidade de imersão do público nesse lugar fétido e misterioso.

Savovi / Stitches (2019 – BOS)

Mais de 500 bebês desapareceram entre 1998-99, na Guerra de Kosovo. O diretor Miroslav Terzic resgata esse período conturbado, que ainda nem está totalmente resolvido, entre os países da região dos Balcãs, e o faz por um trauma como esses. Já se passaram dezoito anos que seu bebê ter sido declarado morto no parto, ela (Snezana Bogdanovic) tem outra filha, um emprego, sua família, mas o desespero por não superar e duvidar que seu filho não tenha sido sequestrado é latente em seu rosto. O que lhe resta é investigar, tantos anos insistindo com a polícia, com órgãos da prefeitura, com quem se possa imaginar.

São cicatrizes que se fecham, a vida dessa mulher não vai além do piloto-automático, entre o robotizado e o catatônico. Quer resposta, quer o filho, por mais que esteja anos negligenciando a tudo à sua volta. Quem descobrir o filme vai acompanhar a trama e seu desenrolar, o mais importante é como Terzic e sua atriz conduze o filme de forma sóbria, e nunca melodramática, de maneira que possa aprofundar nas cicatrizes e buscar um fio de esperança, onde quer que seja.

The Two Popes (2019 – EUA)

Em alguns momentos, o filme chega a ser delicioso, o confronto de estilos das duas figuras eclesiásticas oferece uma comédia saborosa entre o sisudo alemão e o simpático sulamericano. E, estamos falando dos dois últimos papas da Igreja Católica, figuram tão conhecidas quanto famosas recentemente, o que torna tudo mais difícil.

Os últimos trabalhos internacionais de Fernando Meirelles não vinham obtendo aquele sucesso todo, mas esse filme produzido pela Netflix, e exibido no Festival de Veneza, recoloca o brasileiro na mira dos cinéfilos. Estamos diante da duas últimas sucessões do papado, tanto a que escolheu Bento XVI (Anthony Hopkins), quanto a que tornou Papa Francisco (Jonathan Pryce) o líder do Vaticano. E Meirelles conduz a trama entre curiosidades do processo de votação e outros rituais internos, e esse processo surpreendente que culminou na passagem de bastão entre eles.

É também um veículo interessante para resgatar a biografia do Papa Francisco, ainda que seja a parte mais protocolar e apenas informativo do filme que filma em preto e branco situações na Argentina sob ditadura militar, por exemplo. Bom mesmo são os encontros ensolarados, ou em quartos com tv ligada, entre os dois, divergindo sobre pontos cruciais da Igreja, discutindo aposentadoria, e criam um convívio cuja harmonia quase se alimenta do caos. Meirelles abre um canal de intimidade do público com aquelas duas figuras, cujas interpretações de Hopkins e Pryce evidenciam ainda mais essa familiaridade surpreendente e espontânea. É claro que o filme tem um quê de chapa-branca, que mesmo em assuntos tabus prefere um ar mais leve, mas é realmente calcado nesse embate de estilos, e não o filme definitivo sobre a Igreja Católica e seu lado obscuro.

Sinônimos

Publicado: dezembro 16, 2019 em Cinema, Mostra SP
Tags:, ,

Synonymes / Synonyms (2019 – FRA)

Estamos muito acostumados a ver no cinema reflexões da cultura israelense, sempre em oposição ao Islamismo, à Palestina. Nadav Lapid e seu cinema questionador e inquieto parte para um estudo mais profundo do ser israelense. Altamente autobiográfico, Lapid conta de suas experiências quando tentou renegar sua cultura, seu idioma, seu povo e se mudou para a frança, com uma mão na frente e outra atrás, se afastando da família, das crenças religiosas e do exarcebado militarismo israelense

Yoav (Tom Mercier) é esse alterego, que em contraste com dois jovens burgueses franceses, e uma narrativa que quase se divide em esquetes, permite que o cineasta construa um personagem de complexidade ímpar. O desenrolar da trama do jovem que tem sua roupa roubada e quase morre de frio, ao chegar à Paris, é de uma explosão de sensações. Afinal, é tão latente esse desejo de aversão à sua nacionalidade e um desejo de assumir uma nova identidade, mas o choque com a realidade dessa nova sociedade causa ainda mais turbulência nessa mente inquieta. Seria a decepção por encontrar enraizado os mesmos comportamentos, mesmo numa cultura aparentemente tão diferente ou é só diferente pelo ar pedante e a falsa sensação de evoluição cultural?

Lapid filma com a urgência que o discurso de Yoav pede, como na incrível cena inicial em que ele corre por uma Paris vazia, e a imagem granulada focaliza suas pernas aceleradas. E o filme todo tem essa urgência de criticar o Estado de Israel, assim como ao França, ninguém está livre desse olhar destemido de Lapid.

Marriage Story (2019 – EUA) 

O tema da separação, do fim do matrimônio, é um tema caro a Noah Baumbach, e ele está de volta, dessa vez, provavelmente, com mais alcance do que nunca. Scarlett Johanson e Adam Driver formam o casal de atriz e diretor de teatro cujo em processo de separação. Muitos tentam comparar o filme com o clássico Cenas de um Casamento, do Bergman, não façam isso, por favor.

Temos aqui um filme que se equilibra na irregularidade dessa fase de separação. A dor da separação, sentimentos misturados, a imposição de vontades próprias, a descoberta do outro em momentos de fúria, ou de egoísmo. Mas, algumas escolhas do roteiro beiram à vilanização de personagens e situações, ou de criar algumas cenas necessárias para dar palco a interpretações mais explosivas. Há risos e choros, há longas cenas com advogados, e outras com o filho ou com a família que deixa de ser sua. Quando um casal se separa, todos se separam de alguma forma, família, círculo social, e mais adiante, tudo se reestabelece. Mas o filme de Baumbach, talvez seja, condescendente demais com a persona masculina, e o desequilíbrio na balança atrapalha. Ainda assim, é o tipo de filme que não temos visto atualmente, não dessa forma, e com um tipo de situação que segue sendo mais que rotineira. Afinal, esse amor da alma gêmea só se vive mesmo nas músicas pop e nas comédias românticas.