Posts com Tag ‘Agata Kulesza’

Agnus Dei

Publicado: agosto 29, 2016 em Cinema
Tags:, , ,

agnusdeiLes Innocents (2015 – FRA) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

A diretora Anne Fontaine opta pela frieza ao trazer às telas novo capítulo das tristes histórias da Segunda Guerra Mundial. O foco aqui são freiras polonesas grávidas após estupros de soldados soviéticos. A fotografia é fria, os planos fixos, a conjunção oferece distanciamento das emoções contidas vividas pelas jovens violentadas. De certa forma é um filme bem tradicional, que tenta representar-se de forma bastante semelhante ao clima gélido do inverno rigoroso. Foge categoricamente do clima melodramático, mas nunca consegue escapar da sensação de outra história importante, só que não vai além do tom narrativo. Não se aproveita, nem para o bem, e nem para o mal, de se aproveitar da bandeira feminista, o que, de certo modo, é uma pena. Restando assim, outra história de impacto, com momentos destruidores, renegada ao lugar-comum dos filmes do subgênero.

Anúncios

idaIda (2013 – POL) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Outro filme em que o rigor estético, orquestrado pelo diretor (Pawel Pawlikowski) é a chave para sobressair-se na cena do cinema contemporâneo. Filmando em branco e preto, Pawolikowski vai à década de 60 na Polônia. Uma jovem (Agata Trzebuchowska), prestes a ser tornar freira, vai ao encontro de sua tia (Agata Kulesza) e única parente.

Em poucos dias, as duas partes numa busca pela verdade, ao corpo dos parentes que morreram nos massacres de judeus na Segunda Guerra Mundial. Enquanto a jovem Ida vive um pouco fora do convento, antes de se finalmente confirmar seus votos. Enquanto a tia lhe mostra um pouco do mundo, e o quanto é uma mulher forte e fragilizada, as duas resgatam novamente o passado assombroso do Nazismo.

Desprovido de sentimentalismo, a narrativa seca e elegante prima pela força estética empregada por Pawolikowski que resgata as regiões distantes das grandes cidades, o mundo do campo, entre vegetações secas e casas simples. Ida é seguro, cirúrgico, e exemplarmente resumido pelos olhos da jovem que testemunha uma realidade tão próxima que ela nem pensara ter vivido.