Posts com Tag ‘Brendan Gleeson’

assufragistasThe Suffragette (2015 – Reino Unido) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

A diretora Sarah Gravon resgata a voz do movimento sufrágio britânico, a luta feminina pela igualdade, liberdade, pelo direito a voto, lá pelo início do século passado. Escolhe uma mulher na multidão, Maud Watts (Carey Mulligan) apresentando nela as dificuldades em manter a luta e a família. O antagonismo entre ideais e a estabilidade social, enquanto pontua a forma como essas mulheres se sensibilizaram para lutar por essas conquistas, um movimento que começou pacífico e chegou a pequenos atentados terroristas.

Com narrativa extremamente tradicional, Gravon estabelece o diálogo fácil com o público. Hoje é simples se solidarizar pela história de luta, pela proeza das mulheres lideradas por Emmeline Pankurst (Mery Streep), e o filme entrega direitinho o peso do drama, as facetas de sofrimento e de garra com que essas mulheres enfrentaram não só o governo, mas a sociedade conservadora. Nos créditos finais, a menção de alguns países e o ano em que as mulheres ganharam direito a voto em seus países, alguns ainda estão na promessa.

calvaryCalvary (2014– IRL) estrelaestrelaestrela1_2estrela_cinzaestrela_cinza

Primeira cena é um plano fechado, no rosto de um padre (Brendan Gleeson), dentro do confessionário, ouvindo um homem narrar seu passado, em que foi abusado sexualmente por um padre. O homem promete matar aquele que lhe está ouvindo, no próximo domingo, como forma de compensação.

Como o calvário desse padre. Afinal, ele conhece o homem, mas não sabe o que fazer com tal informação que coloca sua vida em risco. A seguir o roteiro segue a vida desse padre, desde as discussões com seus superiores, até pequenos relacionamentos com a comunidade. Grandes as pretensões do diretor John Michael McDonagh, tenta transformar esse padre cheio de modernidades (descobrimos que ele teve um passado obscuro antes da vocação, com filha suicida (Kelly Reilly) e outros detalhes) numa espécie de catalisador da maldade que aquela comunidade carrega.

McDonagh carrega em tantos personagens obscuros, uma forma de tentar criar suspense sobre a figura do homem que prometeu matar, mas é um artíficio tão em vão. O calvário do padre se torna uma visão demasiada negativa de McDonagh sob sua cara Irlanda. Como se todo o peso mundo caísse sob as contas desse homem, é muita vontade de condensar o mundo todo nessa figura alcoólatra e bem-humorada.