Posts com Tag ‘Chiwetel Ejiofor’

Z-for-Zechariah-01-630Z for Zachariah (2015 – EUA) estrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Primeiramente, Craig Zobel prova que não é necessário gastar milhões para realizar um filme-catástrofe. Apenas filmar algumas casas vazias, ruas sem ninguém, um supermercado abandonado e o pavor de poucos personagens com contaminação por radiação na água (por exemplo), são argumentos mais que necessários para contextualizar.

E era para ser outro filme-catástrofe, mas Zobel preferiu aproveitar do fim do mundo para criar um triângulo amoroso. No mundo que o filme apresenta, parecia só existir Ann (Margot Robbie), até a chegada de Loomis (Chiwetel Ejiofor), e no segundo ato, Caleb (Chris Pine). Todo o discurso de religiosidade, dor pela perda da família e recomeço da “humanidade” vão por terra quando o filme, finalmente, entrega o seu viés de disputa romântica, onde desejo reprimido e a falta de excrupulos culminam nos comportamentos humanos.

12anosdeescravidao12 Years a Slave (EUA – 2013) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

Entristece um pouco pensar que Steve McQueen, um dos cineastas mais intrigantes da recente safra de novos diretores, vá ganhar o Oscar com o filme mais “convencional” de sua curta carreira. Este é apenas o terceiro longa. Favorito absoluto na corrida deste ano ao “careca dourado”, porém por mais consistente e fabuloso que seja seu filme, ficou de lado aquela perturbação de seus trabalhos anteriores em prol de uma história justa.

Porque, afinal, este é um daqueles filmes que precisavam ser filmados, uma daqueles histórias que precisavam ser contadas, e toda aquela ladainha blasé. Trata-se da biografia de um homem (cuja trajetória representa a de inúmeros outros à época). Um negro livre (Chiwetel Ejiofor), sequestrado e escravizado, durante 12 anos. Tempo suficiente para McQueen transpassar às telas toda a indignação com a escravidão.

12anosdeescravidao_2Injustiças, açoites e humilhações, qualquer sabe o que esperar dessa história. Capatazes impiedosos, fazendeiros sádicos (Michael Fassbender), todo e qualquer tipo de abuso nas relações raciais. A narrativa de McQueen é densa, sóbria, consistente. Aliada o tradicional ao seco, mesmo os momentos mais dramáticos tem ausência do melodrama, retrato estéril do estilo do cineasta. Por exemplo, na grande cena do filme, as chibatas no tronco, são de uma agressividade impar, o corte do corpo, o jorrar do sangue, impressiona mais o exercício cirúrgico do que a novela de um homem sofrendo todas as dores do mundo.