Posts com Tag ‘Christina Ricci’

alendadocavaleirosemcabecaSleepy Hollow (1999 – EUA) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Famoso conto folclórico americano sobre um cavaleiro sem cabeça que fica vagando pelos bosques e decapitando pessoas na procura de sua própria cabeça. Nas mãos do diretor Tim Burton o filme ganha o correto estilo dark e sombrio que já lhe é particular.

Em 1799, num pequeno vilarejo nos EUA, diversas pessoas tem aparecido mortas, com suas cabeças cortadas. A população está aterrorizada. Para tentar solucionar o caso é enviado o detetive Ichabod Crane (Johnny Deep) decide inovar com novos métodos de investigação. Enquanto as mortes persistem e o se apaixona pela jovem misteriosa Katrina Van Tassel (Christina Ricci), Crane suspeita de algum tipo de conspiração envolvendo as figuras mais importantes do vilarejo como o reverendo, o juiz e outros.

Como de costume nos trabalhos de Burton, é tecnicamente impecável: figurino e direção de arte (inclusive ganhou o Oscar). O que falta é suspense. O clima sombrio por si só não consegue dar vazão às expectartivas sobre quem é o verdadeiro vilão da história. O personagem de Deep é caricato demais, desengonçado, e Ricci, ao meu ver, ainda não conseguiu desprender-se do seu personagem da Família Adams. Christopher Walken faz duas ou três caretas e só, e a lenda do cavaleiro sem cabeça fica se resume num filme decepcionante.

filhadaluzBless the Child (2000 – EUA) estrelaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinzaestrela_cinza

Outro daqueles caça-níqueis banais que o cinema americano adora empurrar goela abaixo no público. O diretor Chuck Russel é conhecido pelos sucessos O Máskara e Queima de Arquivo. E aliado ao nome de Kim Basinger, tenta emplacar no cinema de terror, adaptando um romance escrito por de Cathy Cash Spellman. Em suas mãos, a trama de seitas macabras e pactos demoníacos  se torna uma tolice banal.

Kim Basinger é uma enfermeira, cuja irmã (Angela Bettis) desaparecida (dependente química) retorna com uma bebê recém-nascida nos braços. Como tia, ela assume a garota, que apresenta sinais de autismo. Sequestro, magia negra, um homem que se tornou famoso por fundar uma seita religiosa (Rufus Sewell), e a coincidência de várias crianças com nascimento no mesmo dia que foram assassinadas. Tudo em torno da busca do mensageiro do demônio, e o filme cai mais para o thriller, sempre com a banalidade e o inverossímil como combustíveis centrais.