Posts com Tag ‘Claire Denis’

Bom Trabalho

Publicado: setembro 10, 2011 em Cinema, Festivais no Radar
Tags:,

Bom Trabalho (Beau Travail, 1999 – FRA) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

O interessante aqui não é a presença dos soldados da Legião Estrangeira em Djibouti e sua relação com os locais. Estamos diante do olhar de um homem (o sargento Galoup) revisitando fatos recentemente ocorridos e que mudaram fundamentalmente sua vida. Claire Denis filma basicamente corpos na paisagem desértica, porém a questão sexualidade fica oprimida pela virilidade, é no viril que a cineasta desenvolve todo o contorno das imagens. E nessa virilidade que surge o ciúmes do sargento, ele estranhamente começa a perseguir um jovem recruta, surge uma relação tensa. E se Denis fecha a história com leveza, antes expõe as ilimitáveis questões do comportamento humano e as alternativas possíveis diante do fracasso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

White Material (2009 – FRA/CAM)

A história se repete em qualquer país da África Negra, rebeldes tomando o poder, a grande maioria dos brancos aristocratas sugaram a população e sofrem comas perseguições dos revoltosos, um banho de sangue sem precedentes. Claire Denis não pontua sua história, porém conta uma pequena história que resume todos os países (até hoje em suas intermináveis guerras civis). Os brancos donos ou administradores de uma fazenda de café esforçam-se para seguir no plantio, colheita e demais processos agrícolas, a cidade virou um campo de batalha e no meio dessa guerra pelas esquinas (onde o professor de natação do seu filho pode ser o guerrilheiro que irá te apontar uma metralhadora na cabeça) há os que fogem por socorro e os que teimam por acreditar que são tão filhos daquela terra quanto os rebeldes.

Denis traz o campo de batalha para dentro do seu estomago, enquanto os grupos de negros disputam o poder, uma mulher (Isabelle Huppert sempre magistral) com bravura pensa no seu pequeno dia-a-dia, enquanto isso vivemos a tensão, a loucura de cada segundo num local onde você é o alvo o dia todo e conta os segundos até que seja o próximo a ser atingido. Claire Denis oferece um filme não só poderoso em seus temas, como na fineza com que filma toda essa alucinante vida, toda essa ensandecida situação. White Material é assombroso, de deixar você de pernas bambas pelas possibilidades da raça humana em desfazer, em desmerecer, em agir com tamanha irracionalidade.

Diários da Mostra #4

Publicado: outubro 27, 2009 em Mostra SP
Tags:

35 Doses de Rum (35 Rhums / 35 Shots of Rum, 2008 – FRA/ALE)

No lindo filme de Claire Denis, pai viuvo e sua filha vivem uma relação de afeto e cuidado pelo outro invejável. Ele condutor de trem, vive um chamego com a vizinha taxista. Já Josephine parece satisfeita com a vida escola-casa, cuida dos afazeres domésticos com prazer (num carinho pelo pai imensurável que chega a causar atrito entre eles) enquanto o namorado viaja muito ao exterior a trabalho. Claire Denis filma tudo de maneira tão sutil e elegante que nos sentimos numa proximidade voluptuosa dessa família torta, não faltam planos lindos e delicados como na seqüência de dança após a frustração por não chegarem ao show (uma sensualidade e bom gosto ímpares).

À Procura de Elly (Darbareye Elly, 2009 – IRA)

Grupo de amigos planeja viagem à praia com suas famílias, ensejo para apresentar ao amigo que volta da Alemanha uma possível e interessante pretendente. Na primeira metade diversão em grupo entre joguinhos de adultos, vôlei no quintal, mímicas e outros entretenimentos. Depois o fatídico imprevisto que culmina no sumiço de Elly (uma seqüência eletrizante e desesperadora envolvendo afogamento, emoções à flor da pele). A partir daí Asghar Farhadi perde a mão num drama moral e numa série de discussões incabíveis que por um lado derruba máscaras e transforma a casa de veraneio numa panela de pressão, por outro se perde na tentativa de intensificar dramas dentro de minúsculas discussões. Quando podia se transformar num triste e desesperador final, prefere o confronto verbal por si só.


avidaintimadepippalee.jpg
A Vida Íntima de Pippa Lee (The Private Lives of Pippa Lee, 2009 – EUA)
Rebecca Miller conhece bem as possíveis crises femininas à beira dos cinqüenta anos, trata do assunto com uma propriedade de quem deve sofrer com algumas dessas aguras que acometem Pippa Lee (Robin Wright Penn). Entre dificuldades de relacionamento com os filhos, e os problemas que um matrimônio de muitos anos carrega o filme aproveita para, em flashbacks, reconstituir a vida de Pippa Lee desde os excessos da juventude até seu casamento com um editor muito bem sucedido. Típico drama feminino, Pippa Lee é quase uma heroína, linda, elegante e tendo vivido um tanto de aventuras para preencher um extenso livro, e ainda capaz de agir (in)sensatamente em busca de novas emoções. Entre um elenco estrelar e um par de piadas engraçadinhas, o resultado final é diluído pelos clichês do gênero (e da vida).