Posts com Tag ‘David Michôd’

theroverThe Rover (2014 – AUS) estrelaestrelaestrelaestrela_cinzaestrela_cinza

O novo ícone do cinema australiano, o cineasta David Michôd, adora essa desconstrução da unidade, a manutenção da paz social. Seu filme anterior era sobre uma família fragmentada, de marginais. O novo vai ainda mais longe, cria uma Austrália que sofreu um colapso (econômico? Natural?), e 10 anos depois as pessoas sobrevivem como animais, com armas nas mãos e dólares americanos como moeda de troca.

Nesse mundo apocalíptico de sobrevivência três homens roubam um carro de Eric (Guy Pearce), que simplesmente parte atrás deles, pelas estradas australianas. Michôd apresenta personagens em decomposição, seja pelo calor, ou pela nova ordem social. No caminho encontra Rey (Robert Pattison), irmão de um dos que roubaram o carro.

Nitidamente há naquele carro algo de valor a Eric, Michôd não está muito preocupado com muitas histórias e detalhes, seu filme é um road movie de perseguição e de personagens suados e maltrapilhos, que apenas sobrevivem, sabe-se lá como e até quando. Michôd tenta se impor pelo estilo, pela câmera que filma a estrada ou o suor que escorre e se mistura a sangue, enquanto os disparos massacram. Michôd ainda tem um longo caminho a percorrer, sob seus filmes pesa uma urgência que o todo ainda não foi capaz de traduzir, ainda assim impressiona sua capacidade de movimentar a indústria australiana de cinema.

Reino Animal

Publicado: março 16, 2011 em Uncategorized
Tags:

lançado direto em DVD.

Animal Kingdom (2010 – AUS)

O cineasta David Michôd desenvolve mais uma daquelas famílias problemáticas (baseado em fatos reais), fragmentadas, onde ninguém vale nada. O filme já começa com o desconsolo do garoto adolescente que telefona para sua avó após a morte da mãe por overdose. Sabe-se lá como era a vida daquele rapaz de dezessete anos, mas onde ele vai parar é bem pior, no meio de uma família de bandidos que desconfia até da sombra (tios e até a própria avó). Eles estão sob investigação de um policial (não corrupto, frisando a toda hora esse comportamento) e o filme trafega nessa linha tênue de um jovem perdido entre a criminalidade familiar e algum valor moral que ele ainda conserva dentro de si. Há uma tentativa clara de simbologismos entre personagens e comportamentos conhecidos de alguns animais, não vai longe, fica preso por atores limitados (exceção de Jacki Weaver) e uma quase obviedade entre takes e roteiro.