Posts com Tag ‘Emanuele Crialese’

Terra Firme

Publicado: novembro 14, 2011 em Uncategorized
Tags:, ,

Terraferma (2011 – ITA/FRA)

Última parte de uma trilogia sobre deslocamentos, o filme do cineasta Emanuele Crialese aponta também para outras pequenas obsessões costumeiras em seus filmes, entre elas a presença constante do mar e de embarcações. Aqui Crialese pretende ir além da questão da imigração ilegal, quer brincar também com as mudanças ao passar do tempo, a pequena ilha perto da Sicília cuja população vivia da pesca agora dá lugar ao turismo como mola propulsora da economia. Há os que se adaptam, outros pragmáticos sempre viveram da pescaria e acreditam que com ela devem permanecer. Crialese parte dos conflitos de uma família (entre tradição e futuro) para forçar a conexão com a questão dos africanos chegando aos montes em embarcações primitivas pelo Mediterraneo.

O detalhe é que o filme não se contenta apenas com a questão política, quer ir além, deseja revelar um romance entre o jovem pescador e uma turista, deseja expor a questão complicada da subsistencia dos pescadores, e chocar com a repressão policial para que os imigrantes ilegais não sejam salvos em alto-mar (causando cena de fortissimo impacto quando africanos tentam invadir uma embarcação e são recebidos violentamente). É o sonho da terra firme, para os que chegam ao continente e aos que ali estão, Crialese amarra todos estes temas muito bem, mas precisa sempre exagerar (com mulheres grávidas, por exemplo, excesso de melodrama).

* indicado pela Itália ao Oscar de Filme Estrangeiro

Estou falando aqui baseado em leituras, críticas, videos, resumindo informações de mais de uma dezena de meios de comunicação que em Veneza estiveram. E a sensação é de uma edição de filmes que prometem muitos, finalmente temos uma boa lista de expectativas para que cheguem nos festivais brasileiros e no circuito comercial. Listo abaixo os filmes que aguardo com maior ansiedade dentro da Mostra Competitiva em Veneza.

Faust, de Alexander Sokurov (ganhador do Leão de Ouro)

obs: quem me conhece sabe da minha obsessão por alguns cineastas, poderia dizer que sou figurinha carimbada em sessões de filmes de Kar-Wai, Gitai, e outros. E um desses nomes que realmente me fascinam é o de Sokurov.

 

Shame, de  Steve McQueen (vencedor Coppa Volpi de melhor ator: Michael Fassbender)

obs: quem sabe tragam não só este, como também o ótimo trabalho de estréia de McQueen, o filme Hunger.

 

Tinker, Tailor, Soldier, Spy, de Thomas Alfredson

Obs: nem Árvore da Vida, nem o próprio Faust, e nenhum outro, simplesmente o filme mais aguardado do ano por mim.

 

A Dangerous Method, de David Cronenberg

Obs: a amizade e rivalidade de Jung e Freud

 

Terraferma, de Emanuele Crialese (ganhador do prêmio especial do júri)

obs: cineasta do elogiado Respiro e do interessante Mundo Novo, retratando a delicada questão da imigração africana na Itália.

 

Isso para me ater em apenas 5 filmes, porque ainda tem Carnage de Roman Polanski, People Mountain People Sea de Cao Shangjun, 4:44 de Abel Ferrara, O Morro dos Ventos Uivantes de Andrea Arnold, pelo visto uma ótima edição do festival de Veneza em 2011.