Benzinho

Benzinho (2018 – BRA) 

Antes de falar no filme, é importante destacar que o diretor Gustavo Pizzi escreveu o roteiro com sua ex-esposa, a atriz Karine Telles, que protagoniza a história. Essa parceria de direção/atuação/roteiro já havia ocorrido no filme anterior da dupla: Riscado. Já pela escalação do elenco nota-se uma pretensão maior, estamos falando de um potencial bem maior de público do que aquele trabalho quase experimental. E o sucesso de repercussão internacional já o coloca como um dos possíveis escolhidos pelo Brasil ao Oscar.

Dito isso, o roteiro é de fácil conexão com muita gente, dos que deixaram suas cidades em busca de melhores oportunidades profissionais (em outras cidades ou países). Ou, simplesmente, das mães que facilmente sentem essa dor da separação, mesmo quando o filho se muda para a rua ao lado, só por não estar sob o mesmo teto, o que dirá outro país, outra língua. E, nesse ponto, Benzinho fala genuinamente com essas mães. A atuação de Karine Telles é precisa, principalmente nesses pequenos sabores de algo sair errado e o filho, simplesmente, seguir em seu ninho. Não que a mãe não torça pelo filho, mas, sabe como é, se ele estiver aqui pertinho…

Conhecemos essa familia de quatro filhos, quando vivem esse momento de euforia do primogênito que ganha convite para jogar handbol na Alemanha. A crise central é a da separação, enquanto a questão se resolve, acompanhamos tudo o orbita ao redor dessa familia. As finanças familiares ruindo, a irmã enfrentando problemas conjugais, os irmãos adolescentes que precisam ser babás dos mais novos enquanto os pais tentam ganhar a vida. Está tudo ali, a cidade de Petrópolis como palco do ruir das finanças.

Entre tantos dramas e esperanças de um futuro melhor, o roteiro intercala cenas cotidianas com aqueles momentos que deveriam ser marcantes. Se na rotina diária o filme é tenro e delicado, nessas cenas impactantes as ideias parecem melhores que a realização, numa pitadinha de artificialismo que diminui o emotivo esperado. A comparação com Que Horas Ela Volta? é compreensível, eles fazem parte de um conjunto de personagens aproximados pela classe social, suas diferenças estão nesses momentos-chave, um aspecto bem subjetivo, mas que faz toda a diferença na hora de se ganhar o carimbo de grande filme.


Festival: Sundance 2018

Mostra: World Dramatic Competition

Anúncios

The Tale

The Tale (2018 – EUA) 

Um dos destaques da última edição do Festival de Sundance, o drama autobiográfico de Jennifer Fox tem os temas perfeitos para algumas das grandes bandeiras do feminismo e do empodeiramento: abuso sexual de menores, mulheres fortes.

Laura Dern é o alter-ego da diretora, essa mulher que enfrenta o resgate de quando tinha treze anos e teve um relacionamento com um adulto. Não chega a ser totalmente tradicional em sua narrativa, mas longe de ser um primor de cinema, sua força está realmente concentrada na maneira sóbria e delicada com que trata as mulheres da história (Jennifer em duas épocas, a mãe, a treinadora), enquanto encontra na insegurança das memórias uma forma de dar ainda mais humanidade à personagem.

Dessa forma, Jennifer se lembra dos fatos, e o filme vai contando sua história enquanto ela parte ao reencontro de todos que viveram ao seu lado aquele momento, a memória a confunde, alguns ajudam a completar e assim o filme volta a algumas cenas para reconstruir. Tudo isso, sem perder seu foco nos dilemas do abuso sexual, e na necessidade de discutirmos o tema até que quem sabe a prática seja erradicada e crianças libertadas de situações tão traumáticas e sujas.

Seu filme nem transforma vilões em monstros, assim bem como a frase final em que a pequena Jennifer dá outro significado, que não ser vítima, na situação. Dessa forma, o filme ganha ainda mais força e promete causar impacto, pena que não será visto nos cinemas, foi comprado e já exibido na tv pela HBO nos EUA.

Menashe

Menashe (2017 – EUA) 

Com certo destaque na última edição de Sundance, o filme dirigido por Joshua Z. Weinstein não vai além de trazer um pouco mais dos aspectos sociais da cultura judaica ortodoxa. No cerne, o viúvo atrapalhado que não pode morar com o filho, enquanto não tenha uma nova esposa. Nessa tentativa de retrato cultural que foge dos padrões ocidentais mais difundidos, o filme é cheio de boa vontade, mas passa longe de qualquer apuro cinematográfico. É só uma historinha sendo contada, com elementos religiosos e sociais importantes, que surgem como novidade aos que não fazem parte da comunidade judaica.


Festival: Sundance 2017

Mostra: Next <>

Holiday

Holiday (2018 – DIN) 

A estreia na direção de Isabella Eklöf, lembra um pouco o cinema de Lars Von Trier, ou o que há de mais fraco em Happy End de Michael Haneke. A frieza com que enxerga seus personagens, o distanciamento com que narra a história da jovem problemática que desfruta das férias com seu namorado, mais velho e mafioso, enquanto se aproxima de outras pessoas que possam dialogar melhor com ela.

Há alguns momentos de diferentes cenas de violência e abuso contra a mulher, Eklöf as filma da mesma forma, de maneira fria, quase cínica e provocativa, mas parece interessada em aproveitar desses momentos para a construção das fragilidades de sua personagem, e nunca um debate sobre os temas. As férias de verão de quem entrega seu corpo e sua passividade, e, de resto, vive de liberdades limitadas e humilhações machistas.


Festival: Sundance 2018

Mostra: World Cinema Dramatic

A Woman Captured

A Woman Captured (2017 – HUN) 

O documentário informa um número impressionante de pessoas mantidas como escravas, nos dias de hoje, por toda a Europa. Só na Hungria, se estima mais de dez mil. O filme de Bernardett Tuza-Ritter é chocante por capturar, com tantos detalhes, a forma com que a doméstica era tratada pela família, donos da casa onde vivia, sem receber salário e com limitada permissão para sair de casa, por anos e anos.

Os tempos do feudalismo no mundo contemporâneo. É até crueldade confundir com convencional o trabalho de Tuza-Ritter, só por sua narrativa seguir um padrão bem estabelecido no cinema, por mais que isso seja um fato, o feito é a riqueza do material, expositivo e cheio de afeto, mas facilmente revoltante por ainda se viver num mundo cão de exploração humana até os dias atuais.


Festival: Sundance 2018

Mostra: World Cinema – Documentary

Os Iniciados

Inxeba / The Wound (2017 – AFS) 

Um dos nove pré-indicados ao Oscar de Filme Estrangeiro, o filme dirigido por John Trengove mergulha na masculinidade através do antigo costume dos Xhosa (uma das etnias sul-africanas) de realizar circuncisão em jovens, no meio da floresta, durante uma semana, como forma de estimular o amadurecimento como “homem”. Uma espécie de coming of age cru, razoavelmente agressivo, mas também uma maneira de manter a cultura tradicional entre as modernidades da vida contemporânea. No centro da trama a questão da sexualidade que complica as relações e exprime o poder do machismo.

Trengove filma com muitos planos fechados, câmera na mão acompanhando iniciados e curadores na montanha, cenas escuras da intimidade. O bullying e o machismo como tônica cabal das relações entre homens, e essa estranha congruência entre o tradicional e o novo (pintados de branco, vestimentas antigas, e brigando por um tênis colorido). E no meio de tudo uma relação à Brockback Mountain, com toda a expressão de possessividade e interdependência que um amor proibido pode oferecer.

Me Chame pelo Seu Nome

Call Me By Your Name (2017 – EUA) 

Com I Am Love e A Bigger Splash, o diretor Luca Guadagnino já vinha capturando a burguesia com olhos nem tão críticos, aproveitando de sua beleza para desenvolver histórias e personagens. Podem ter sido bons laboratórios para o que veria a seguir, já que seu novo filme tem arrebatado plateias, causado comoção numa forma identificação imediata com anseios e expectativas que só mesmo o cinema consegue corresponder.

Verão de 1983 na Itália, uma família de intelectuais recebe um visitante acadêmico americano, Oliver (Armie Hammer). O foco central está sob o filho de 17 anos, Elio (Timothée Chalamet), que se relaciona com amigos da região, descobre o sexo, enquanto desperta uma forte atração pelo visitante. Guadagnino estabelece os laços afetivos sem nenhuma preocupação com preconceito, são pessoas livres, que se apaixonam pelo sexo oposto ou não, com naturalidade. Talvez seja a principal fortaleza do filme, o amor, sem se preocupar com convenções.

O verão transcorre entre passeios de bicicleta, livros à beira da piscina, festas no vilarejo, e o simples florescer de Elio transcorrendo a nossa frente, de maneira fascinante. O desejo, o sexo, são o combustível dessa história tão sensível, de joguinhos amorosos, de libido latente. E a complexidade em dar espaço a tantos personagens e interrelacionamentos, e em buscar permear com a rotina culturamente rica da família. Alegria e sofrimento, descobertas e experimentações, tudo condensado no momento-chave, numa conversa pai e filho que é de uma sensibilidade e compreensão indescritíveis. E que venha o Oscar.


Festival: Sundance

Mostra: Premières