Posts com Tag ‘Giovanni Pastrone’

O Fogo (Il Fuoco, 1916 – ITA)

Pelas mãos de Giovanni Pastrone tudo ganha contornos gigantescos, os dramas são mais dramas, o sofrimento é um sofrimento maior, e o amor, ah o amor, esse é vivido a cada pulsar do coração e a cada lágrima de dor. Num clima bucólico uma poetisa (Pina Menichelli) e um pintor (Febo Mari) se apaixonam, e iniciam esse tórrido romance. Como sabemos, o amor profana, é quase uma jogada de marketing do mundo pop (que àquela altura nem existia) para nos manter otimistas e esperançosos, mas, infelizmente esse céu de brigadeiro um dia se vai. E do sucesso à decadência (artístico-profissional e amorosa) Patrone desconstrói a figura desse amor, chegando a magnanina cena final que condena como trágica as grandes histórias de amor.

Tigre Real (Tigre Reale, 1916 – ITA)

Numa festa da alta sociedade o embaixador italiano em Paris, Giorgio La Ferlita (Alberto Nipoti), admira a beleza triunfal de um condessa russa, amplamente cortejada por todos os homens da festa. A deslumbrante Natka (Pina Menichelli )de olhar hipnótico de desdém,  normalmente causa esse fascínio quase mortal por onde passa. Tem início não só uma paixão arrebatadora, mas uma saga amorosa de proporções épicas entre amores e ciúmes, traições e dramas. Declarações de amor acachapantes, desencontros, tudo no melhor estilo de grandiosidade (a sequencia do incêndio é simplesmente antológica) do cineasta Giovanni Pastrone, numa relação que vai da doença ao amor declamado, um caso de amor quase irrealizável, e ainda assim arrebatador.